Sobe para 14 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil

Entre os casos confirmados, 10 estão em São Paulo, dois no Rio, um na Bahia e outro no Espírito Santo

Brasília

Subiu para 14 o número de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus no Brasil. As informações são de plataforma do Ministério da Saúde que monitora dados da doença. Até a manhã desta sexta (6), eram 9 casos.

Do total de pessoas com o vírus, dez estão em São Paulo, dois no Rio de Janeiro, um na Bahia e outro no Espírito Santo.

Segundo a pasta, todos os novos casos são de pacientes que viajaram a outros países, em especial a Itália. Após o diagnóstico, todos ficaram em isolamento domiciliar. A pasta não deu informações sobre o quadro clínico do grupo.

Na quinta-feira (5), o Ministério da Saúde confirmou os dois primeiros registros de transmissão local do novo coronavírus, ou seja, a infecção ocorreu em pacientes sem histórico de viagens a outros países. Os dois casos de transmissão direta ocorreram em São Paulo e são de pessoas que tiveram contato com o primeiro paciente com diagnóstico confirmado para a doença covid-19 no país, um empresário de 61 anos que havia viajado à Itália e foi atendido no Brasil.

De acordo com o ministério, como esses dois casos estão ligados entre si, ainda não se pode dizer que há uma transmissão sustentada ou comunitária no país, mas apenas uma transmissão local.

"É uma transmissão que ainda está em um ambiente bem restrito, com contato familiar, por exemplo. Já a transmissão comunitária é quando não identifica a fonte de origem", afirma o diretor do departamento de doenças transmissíveis, Julio Croda.

Durante a apresentação dos dados, Croda disse que é "questão de dias" para que haja confirmação de transmissão comunitária. O motivo é o registro de casos assintomáticos no mundo, mas que podem transmitir o vírus. "Com isso, é muito difícil identificar quem transmitiu para quem."

Já o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, evitou fazer essa avaliação. Para ele, ainda faltam respostas sobre como será o comportamento do vírus no Brasil. "Temos uma série de pontos do nosso sistema de saúde que são diferentes. Vamos aguardar, sem alarde", afirmou.

Balanço do Ministério da Saúde também mostra que subiu para 768 o número de possíveis casos do novo coronavírus ainda em investigação. Até essa quinta, eram 636.

De acordo com a pasta, todos os casos em avaliação atualmente são de pacientes que vieram de outros países. O protocolo prevê que eles sejam testados para os vírus respiratórios mais comuns no país. Caso deem negativo, o caso é encaminhado para testes específicos para o Sars-CoV-2, como é chamado o novo vírus.

Ao todo, 480 casos já foram descartados após exames.

Ministério amplia critério para análise de casos

Em meio ao avanço do vírus, a pasta decidiu alterar o critério para definir quais casos devem ser avaliados para o covid-19.

Até então, entrava na lista para avaliação da doença os casos de pacientes com febre e outros sintomas respiratórios e com histórico de viagem recente a 36 países onde há transmissão do vírus. O mesmo valia para pessoas com sintomas e que tiveram contato com casos confirmados.

A partir de agora, a recomendação é que profissionais de saúde passem a observar se há histórico de viagem a qualquer país da América do Norte, Europa e Ásia, além da Austrália.

"Nossos principais destinos de voos são Europa e América do Norte. Não tem porque mais [fazer esse nexo], se os voos são grandes combinações de destinos. Não temos mais porque ficarmos estressando nosso sistema de saúde para montar um quebra cabeça de combinações", disse.

"Vamos trabalhar assim: é viagem para o exterior? É. Se veio num voo, saiu de onde? Se tem febre, coriza, quadro respiratório, e chegou nos últimos 14 da América do Norte, Europa ou Ásia, os meus profissionais já estão autorizados a tê-los como um nexo causal para suas investigações", afirmou.

Para o ministro, o recente aumento de casos já indica um cenário de maior pressão no sistema de saúde.

Ele fez um apelo para que pessoas evitem procurar hospitais e postos de saúde sem que haja necessidade. Também fez um apelo para que empresas busquem soluções com médicos de trabalho e evitem que pessoas com sintomas de gripe tenham que ir a unidades em busca de atestado médico. O motivo é evitar sobrecarga da rede e possível infecção pelo novo coronavírus.

"Estamos trabalhando com outros órgãos para ver a questão de absenteísmo, de falta ao trabalho, para que a pessoa não tenha que ir desnecessariamente na unidade de saúde", disse. "Esse é o momento das pessoas tirarem dúvidas por telefone e evitar hospital. Se a gente conseguir trabalhar o hospital para os pacientes que necessitam, temos condições de atravessar com o número de leitos que temos."

Em outra frente, o ministério pediu a secretários de saúde que adiantem consultas de pacientes crônicos ou reforcem receitas de tratamento, evitando idas aos postos de saúde em caso de aumento de casos do covid-19.

Ele voltou a frisar que não há motivo para pânico. "A grande maioria das pessoas com esse quadro viral se restabelece", disse.

O ministro disse ainda que analisa em conjunto com o Congresso a possibilidade de obter mais recursos contra o novo coronavírus. "Devemos necessitar de recursos. Já conversei com o Congresso e estamos vendo a melhor maneira, mas nada ainda que podemos dizer qual o cenário", afirmou.

Segundo Mandetta, a pasta busca informações de outros países para fazer um cálculo de gastos.

Coronavírus no mundo

No mundo, mais de 100 mil pessoas foram contaminadas pelo novo coronavírus e mais de 3.400 morreram por causa da doença em 92 países.

A Colômbia anunciou seu primeiro caso nesta sexta (6): uma mulher de 19 anos que havia viajado para Milão. Na América Latina, a doença já foi registrada no Brasil, na Argentina, no México, no Peru, na República Dominicana, no Chile e no Equador. Não houve mortes por coronavírus na região.

Uma alta ocorreu nas últimas 24 horas por causa do Irã, que contabilizou 1.234 novos casos no período.

O número de infecções na Europa mais que dobrou em três dias. Na Itália, as autoridades registraram outros 49 mortos nas últimas 24 horas, com um total de 197 mortos desde que a doença chegou ao país há poucas semanas. O Vaticano teve seu primeiro caso. E a Espanha registrou cinco mortos e um total de 345 casos nesta sexta. A Holanda, que tem 82 contágios, confirmou o seu primeiro morto.

A única notícia otimista vem da China, onde a epidemia surgiu no fim de dezembro. A província de Hubei disse nesta sexta (6) que pela primeira vez só houve novas infecções (126 no total) na capital, Wuhan, que tem 11 milhões de habitantes. Para comparação, em um determinado ponto em fevereiro, Hubei teve mais de 1.400 novos casos fora de Wuhan em apenas um dia.

Em toda a China, foram registrados 143 novos casos na sexta (6). O anúncio é resultado da quarentena imposta a cerca de 50 milhões de pessoas no final de janeiro. No total, o país registrou mais de 80 mil casos e 3.000 mortes.

Os países mais afetados depois da China são Coreia do Sul, Irã, Itália e França.

Com AFP

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.