Descrição de chapéu Coronavírus

Mortes por coronavírus em Wuhan, na China, aumentam em 50% após revisão de dados

País é acusado de ter escondido dados sobre a real dimensão da epidemia

São Paulo

A China aumentou nesta sexta (17) em 50% o número de mortes por Covid-19 em Wuhan, cidade onde o novo coronavírus emergiu, em meio a acusações de que o governo escondeu a real extensão da epidemia.

Após a revisão, o número de óbitos na cidade passou de 2.579 para 3.869, um aumento de 1.290. O número de infecções confirmadas também foi revisto e é de 50.333, um aumento de 325 casos.

A medida parece ser uma resposta às dúvidas sobre a acurácia dos números oficiais chineses e às críticas que tentam responsabilizar o país pela crise de saúde global que já matou mais de 140 mil pessoas e causou graves impactos econômicos.

A China foi criticada por ter lidado mal com a epidemia em seu início e escondido sua dimensão apesar de depois ter agido e, aparentemente, domado o vírus. Como outros países depois sofreram com seus próprios surtos de coronavírus, cresceu a pressão para que a China explicasse como exatamente a epidemia e seu controle se desenrolaram por lá.

Em uma entrevista à agência de notícias oficial Xinhua, um funcionário não identificado do centro de comando de Wuhan disse que revisar os números era importante para proteger a credibilidade do governo e manter o respeito individual por cada vida.

O comunicado emitido pelo governo sugere que as informações foram suprimidas até que as autoridades julgassem sua divulgação "oportuna".

O texto diz que a revisão se deu "de acordo com o quarto parágrafo, o artigo 38 da Lei da República Popular da China sobre Prevenção e Tratamento de Doenças Infecciosas, que estipula que 'as informações sobre a situação epidêmica de doenças infecciosas serão divulgadas de maneira oportuna e precisa'; o terceiro parágrafo, artigo 25 do Regulamento sobre Preparação e Resposta a Perigos Emergentes para a Saúde Pública, que estipula que 'as informações devem ser divulgadas de maneira oportuna, precisa e abrangente'", diz o texto.

O trecho seguinte do comunicado, no entanto, ressalta que as leis chinesas também obrigam as autoridades a corrigirem dados estatísticos incompletos ou que apresentem "erros óbvios".

Além disso, o governo defende que o número de casos no início da epidemia sobrecarregou os médicos e o sistema de saúde, causando, inclusive, a morte de pacientes em suas casas, atrasando a computação dos dados.

"Durante o auge de seus esforços de tratamento, os hospitais estavam operando além de suas capacidades e a equipe médica estava preocupada em salvar e tratar pacientes, resultando em relatórios tardios, perdidos e equivocados. E devido ao rápido aumento de hospitais, incluindo afiliados a empresas e os particulares e improvisados, algumas instituições médicas não estavam ligadas à rede de informações sobre epidemia e não relataram seus dados a tempo."

O governo também admite que houve computação de mortes duplicadas e erros em registros.

Hubei, a província onde fica a cidade de Wuhan, é a região mais afetada do país. São mais de 68 mil pessoas infectadas pelo coronavírus e 4.512 vítimas. Ao todo, o país tem 4.636 mortos.

No dia 7 de abril, a quarentena em Wuhan chegou ao fim após dois meses. A medida, quando adotada, foi duramente criticada pela comunidade internacional, mas agora é uma das principais diretrizes de diversos países para tentar impedir a disseminação do novo coronavírus.

Com o New York Times e Xinhua

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.