Descrição de chapéu Coronavírus

Brasil ultrapassa França e se torna o 4º país com mais mortes por coronavírus

País atingiu 33.274 novos casos e teve 956 novos óbitos; total é de 28.834 mortes e 498.440 casos

São Paulo e Brasília

O Brasil registrou 956 novas mortes por coronavírus em 24 horas e, com 28.834 óbitos desde o começo da epidemia, já é o quarto país com mais mortes ao superar a França.

O país da Europa soma 28.717 óbitos. Os outros três países com mais mortes são EUA (103.389), Reino Unido ( 38.458) e Itália ( 33.340).

O Brasil atingiu o total de 498.440 casos, sendo que 33.274 foram nas últimas 24 horas. Foi o terceiro dia seguido com recorde de novos casos registrados — o anterior foi na sexta, de 26.928.

Em número de casos, o Brasil é o segundo país mais afetado, de acordo com a Universidade Johns Hopkins (EUA). Em números absolutos, fica atrás apenas dos Estados Unidos, que têm 1,8 milhão de casos.

Esse foi o 3º dia seguido com recorde de novos casos confirmados nas últimas 24 horas. O anterior, na sexta, foi de 26.928 casos.

Atualmente, o país registra a cada semana "uma evolução crescente e exponencial" de casos e óbitos, "não sendo observados ainda sinais de desaceleração desse crescimento", segundo análise publicada em boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

Representantes da pasta tem alertado que o número real de casos tende a ser maior, já há subnotificação e testes em análise.

Dados do ministério também apontam 3.862 mortes ainda em investigação. Primeiro a ter casos confirmados no país, São Paulo é o estado com maior número de registros, com um total de 107.142 casos. O estado também segue com o maior número de mortes: 7.532

Após anunciar a reabertura, a gestão estadual, sob João Doria (PSDB), também passou a dar mais destaque à quantidade de recuperados, quando antes geralmente focava na grande quantide de mortos. Neste sábado, a nota do governo exalta 49 mil pacientes recuperados e 20 mil altas hospitalares.

Outros estados com maior volume de casos são Rio de Janeiro (52.420), Ceará (46.506) e Amazonas (40.560).

Já quando observado o total de mortes, a lista muda. Neste caso, os maiores registros ocorrem em São Paulo (7.532), Rio de Janeiro (5.277), Ceará (2.956) e Pará (2.900).

Norte e Nordeste são hoje as regiões com maior incidência de casos do novo coronavírus, parâmetro que considera o total de casos pela população. Em seguida, estão Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

Amapá e Amazonas lideram nesse indicador. O primeiro tem 1.001,4 casos a cada 100 mil habitantes. O segundo, 938,8 casos a cada 100 mil.

Para comparação, a incidência de casos no país é de 237,2 casos por 100 mil habitantes.

A gestão Bruno Covas (PSDB) prorrogou até o dia 15 de junho a proibição de atendimento presencial em estabelecimentos na cidade de São Paulo. No entanto, se algum grupo econômico firmar algum protocolo com a prefeitura poderá abrir antes do dia 15.

Em nota, a prefeitura de São Paulo informou que a classificação laranja, na qual a capital está incluída no plano de reabertura econômica do governo do estado, permite somente a retomada das atividades de shoppings centers, galerias, estabelecimentos congêneres, comércios e serviços.

"Somente os estabelecimentos que pertencerem a estes setores poderão apresentar o pedido para voltar a funcionar. A reabertura só poderá ocorrer após a apresentação e aprovação das propostas pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Coordenadoria da Vigilância em Saúde (Covisa) e Secretaria Municipal da Casa Civil", informou.

O comunicado diz ainda que as empresas só poderão funcionar após a "publicação do termo de aprovação no Diário Oficial do Município.".

Se o trâmite legal for concluído antes do dia 15 de junho, última data da quarentena, o requisitante poderá retomar as atividades de acordo com os compromissos assumidos e as regras previstas nos decretos estadual e municipal, diz a nota.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, 200.892 pessoas se recuperavam da Covid-19.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.