Descrição de chapéu Coronavírus

Governo diz que parecer de empresa prevê estender validade de testes de Covid em estoque

Aval, porém, depende da Anvisa, que afirma que não recebeu nenhum pedido até o momento

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Representantes do Ministério da Saúde disseram nesta quarta-feira (25) que é possível estender, por mais quatro meses, a validade de 6,8 milhões de testes contra Covid-19 que estão em estoque e venceriam em janeiro de 2021.

Essa ampliação está prevista em parecer da empresa fabricante dos exames, afirma o governo. O aval, porém, depende de análise da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que alega não ter recebido nenhum pedido até o momento.

Segundo o secretário de vigilância à saúde, Arnaldo Medeiros, a pasta vai verificar agora como fazer o pedido para estender o prazo de uso dos produtos.

Inicialmente, Medeiros havia dito em audiência na Câmara dos Deputados que o parecer previa possibilidade de extensão do prazo "de pelo menos 12 meses". O documento, porém, cita que os produtos têm validade de 12 meses ao todo, o que dá quatro meses adicionais para os testes que tinham validade inicial de oito meses. A informação foi corrigida pela equipe da pasta em seguida.

Segundo o secretário de vigilância à saúde, Arnaldo Medeiros, a pasta vai verificar agora como fazer o pedido para estender o prazo de uso dos produtos.

Representantes da pasta admitiram o problema, mas alegaram que o prazo de expiração dos testes foi dada de forma "cartorial" pela Anvisa e não corresponde à validade real dos produtos.

De acordo com Medeiros, embora a embalagem apresente validade até essa data, a data interna de vencimento dos insumos varia entre outubro de 2021 a abril de 2023.

Ele atribuiu a responsabilidade pela definição das datas à Anvisa, que concedeu registro aos produtos, cuja validade atual é de oito meses, segundo o ministério.

"O primeiro prazo da Anvisa tinha um caráter meio provisório, dado por uma situação emergencial", disse Correia. "Verificamos que em todos os outros locais [países] o prazo de validade é em torno de 13 meses."

Apesar de dizer que há componentes com prazo maior, Medeiros reconhece, porém, que o kit pode ter validade menor devido à interação entre os componentes.

A diretora da Anvisa Cristiane Jourdan contestou a afirmação sobre a validade cartorial na audiência e disse que as datas de validade foram definidas pela própria empresa que forneceu os produtos, e não pela Anvisa.

O prazo, aponta, leva em consideração estudos de estabilidade que são "determinantes da qualidade dos produtos" e do tempo possível de uso.

"A perda de qualidade pode causar resultados falso positivos e falso negativos", disse Jourdan, segundo quem a agência aguarda o pedido para análise do caso.

Os testes foram adquiridos pelo Ministério da Saúde em abril, por meio de intermediação da Opas (Organização Panamericana de Saúde), que entrou no processo devido à escassez desses produtos no mercado.

Ao todo, foram adquridos 10 milhões de testes, em contrato com a empresa Seegene. Desse total, porém, quase 7 milhões continuam em estoque.

Questionado sobre o que levou a um estoque tão grande, o ministério afirmou que a distribuição ocorre por demanda de estados e municípios.

Já representantes das secretarias estaduais de Saúde dizem ter alertado o ministério diversas vezes sobre a falta de insumos extras, como instrumentos de coleta e reagentes, o que impedia que os testes fossem usados.

"Isso vinha trazendo dificuldade aos estados. O grande problema é que os insumos de amplificação estavam disponíveis, e nós enfrentando grandes problemas no abastecimento de tubos e swabs", disse Leonardo Vilela, do Conass, conselho que representa gestores estaduais.

Segundo ele, a situação foi normalizada em agosto, mas corre risco de ter novos problema após o ministério suspender um contrato para fornecimento de insumos e equipamentos.

"Nos próximos meses podemos ter uma demanda aumentada de testes do tipo RT-PCR [considerado padrão ouro para identificar a infecção aguda] e não temos como atender a essa demanda porque esses contratos foram cancelados", afirma. "Temos hoje dez vezes mais kits de amplificação do que de extração", diz, sobre reagentes necessários para uso dos testes.

O diretor do departamento de logística do ministério, Roberto Dias, disse que o processo de aquisição de insumos extras ocorreu por problemas no contrato e que há previsão de um novo pregão em dez dias.

Ainda de acordo com Vilela, além dos cerca de 7 milhões de testes em estoque no ministério, informações preliminares apontam que há cerca de 600 mil testes com validade até janeiro de posse dos estados. A quantidade, porém, atende à demanda de uso das próximas semanas, afirma.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do informado em versão anterior deste texto, o prazo de validade dos testes é prorrogável por mais quatro meses, o que dá um total de até 12 meses para uso. Inicialmente, o secretário Arnaldo Medeiros havia afirmado que os testes teriam validade de mais 12 meses. A informação foi corrigida em seguida por outro representante da pasta. O título e texto foram corrigidos.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.