Descrição de chapéu Coronavírus

Escondidos, políticos e empresários de MG tomam vacina contra a Covid-19 compradas por iniciativa privada, diz revista

Segundo piauí, grupo importou imunizante da Pfizer e ignorou lei que obriga a doar para o SUS todas as doses

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Políticos e empresários de Minas Gerais, tomaram a primeira das duas doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, que eles compraram por iniciativa própria, sem repassar ao SUS (Sistema Único de Saúde). A afirmação foi publicada pela revista piauí.

O grupo, que teria sido imunizado na terça-feira (23), é composto por uma maioria ligada ao setor de transportes no estado, de acordo com a reportagem. Além deles, seus familiares também foram vacinados.

A segunda dose está prevista para ser aplicada nas cerca de 50 pessoas daqui a 30 dias. As duas doses custaram a cada pessoa R$ 600.

Os irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da viação Saritur, foram os organizadores da vacinação, de acordo com a revista. Um posto de vacinação foi montado em uma garagem da empresa. A reportagem diz que telefonou e mandou mensagem para Rômulo e até às 20h desta quarta (24) não havia obtido resposta.

Ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG), ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foi um dos vacinados
Ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG), ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foi um dos vacinados - Pedro França/Agência Senado

O ex-senador Clésio Andrade, ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), foi um dos vacinados. “Estou com 69 anos, minha vacinação [pelo SUS] seria na semana que vem, eu nem precisava, mas tomei. Fui convidado, foi gratuito para mim”, disse ele à revista.

O Congresso aprovou há cerca de 20 dias uma lei que autoriza a compra de vacinas pela iniciativa privada. As empresas, no entanto, são obrigadas a doar ao SUS todas as doses até que os grupos de risco – 77,2 milhões de pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde – tenham sido imunizados em todo o país.

O projeto é de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

O Brasil vacinou menos de 15 milhões de pessoas até agora. O país alcançou, nesta quarta-feira (24), a assustadora marca de 300 mil óbitos pela Covid-19. O número é tão grande que supera a população de 98,3% das 5.570 cidades brasileiras.

Mesmo depois da imunização dos grupos prioritários, as vacinas compradas pela iniciativa privada devem ser divididas meio a meio com o SUS, numa operação fiscalizada pelo ministério. A pasta foi procurada, mas não respondeu ao questionamento da reportagem.

De acordo com a reportagem, o deputado estadual Alencar da Silveira (PDT-MG) também foi vacinado. Questionado, ele negou. “Não estou sabendo, não. Até gostaria, mas estou com coronavírus, nem posso”, afirmou à piauí.

O grupo teria sido vacinado por uma enfermeira que atrasou porque estava imunizando outro grupo na Belgo Mineira, mineradora hoje pertencente à ArcellorMittal Aços.

A Pfizer disse, em nota, que “nega qualquer venda ou distribuição de sua vacina contra a COVID-19 no Brasil fora do âmbito do Programa Nacional de Imunização. O imunizante COMIRNATY ainda não está disponível em território brasileiro. A Pfizer e a BioNTech fecharam um acordo com o Ministério da Saúde contemplando o fornecimento de 100 milhões de doses da vacina contra a COVID-19 ao longo de 2021”.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.