Descrição de chapéu Folhajus Coronavírus STF

Fux diz que novo ministro da Saúde formará 'pool de inteligência médica' e chama Lira de 'bom coadjuvante'

Presidente do Supremo anunciou indicação de um membro do CNJ para o comitê de combate à Covid

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, afirmou no início da sessão desta quarta-feira (24) que a reunião com os chefes dos outros Poderes sobre o combate à Covid-19 foi positiva e que o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comprometeu-se a ouvir os principais especialistas da área no Brasil para definir novas medidas a serem adotadas.

No comunicado aos colegas, Fux disse que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é um “bom coadjuvante” e elogiou Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que comanda o Senado.

O presidente da corte anunciou que indicará um integrante do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que é presidido por ele e tem como função ser o braço administrativo do Judiciário, para participar do comitê criado com o objetivo de coordenar ações de enfrentamento da pandemia.

Fux disse, porém, que o Supremo não terá assento no grupo porque não pode avalizar uma política pública que, mais tarde, será obrigado a julgar sua constitucionalidade.

Apesar disso, o presidente pediu para os colegas que o procurem em reservado para elaborar formas de dar a maior celeridade possível para analisar as medidas a serem deliberadas pelo comitê.

Segundo ele, Queiroga defendeu um “esforço concentrado e harmônico para que as soluções não sejam politizadas”.

O ministro disse que, ao usar a palavra, lembrou que as decisões devem seguir o entendimento afirmado pelo STF de que todos os entes da federação têm competência para definir medidas de combate à doença.

Fux elogiou o encontro, disse que foi um ambiente harmônico e que todos se dispuseram a ajudar o novo ministro da Saúde.

Segundo ele, Queiroga vai ouvir os principais especialistas na área do país para definir novas medidas. .

“O ministro da Saúde vai convocar pool da inteligência médica do país, enfim, a ciência será ouvida”, afirmou. Pouco antes, o ministro havia dito, sem mencionar Bolsonaro nem o governo, que “a postura foi absolutamente diferente” na reunião desta quarta.

O ministro Luís Roberto Barroso ironizou a decisão: “Feliz de saber que com um ano de atraso e 300 mil mortos resolveram montar uma comissão de especialistas e médicos”.

Fux disse que ficou claro na reunião que há a necessidade de “uma coordenação das informações sobre as medidas para conter o vírus, a serem centralizadas pelo Ministério da Saúde, para que a população não tenha informações desencontradas”.

O ministro ainda relatou que alguns participantes da reunião se queixaram de decisões de instâncias inferiores do Judiciário que desconsideram a capacidade estrutural dos estados de atendê-las.

“Neste ponto, destaquei que é assegurado aos magistrados a autonomia e independência, mas entendo que pode haver uma sensibilização maior por parte dos juízes, sobre a consequência dessas liminares”.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.