Descrição de chapéu Coronavírus

Novo ministro precisa trabalhar com estados e municípios, diz OMS

Entidade diz que situação da pandemia no Brasil continua 'muito preocupante', com número de mortes em forte aceleração

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bruxelas

A situação da pandemia continua "muito, muito preocupante" no Brasil e exige que o governo federal trabalhe em coordenação com estados e municípios, afirmou nesta segunda-feira (22) a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A diretora do órgão regulador da OMS, Mariângela Simão, afirmou que “será preciso muita competência e firmeza na condução do enorme desafio” que a pandemia representa para o Brasil. A declaração foi uma resposta a pergunta sobre que mensagem a entidade mandaria a Marcelo Queiroga, futuro ministro da Saúde brasileiro —ele deve se tornar o quarto ocupante da pasta no governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e seu sucessor, Marcelo Queiroga, na entrega das primeiras 500 mil doses da vacina contra Covid-19 produzidas pela Fiocruz, no Rio de Janeiro - Pedro Paulo Gonçalves - 17.mar.2021/Fiocruz

“Adotar políticas de saúde baseadas em ciência nas três esferas federativas é extremamente importante num momento em que há disseminação do coronavírus em todas as regiões do país. Mais que nunca é necessário alinhamento”, afirmou Simão.

Nos últimos dois dias, governadores têm declarado que há um vácuo de poder no Ministério da Saúde, já que a escolha de Queiroga foi anunciada, mas ele não foi nomeado de fato. Ao "Painel", secretários afirmaram que não há lá “absolutamente ninguém” para estabelecer diálogo ou tomar decisões.

Nesta segunda, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou a demora na transição no ministério, que classificou como 'lenta e dolorida'.

Segundo o diretor-executivo da OMS, Michael Ryan, não cabe à entidade determinar o que ministros devem fazer, mas é fundamental trabalhar com as cidades e os estados, que têm experiência na ponta do sistema de saúde: “O Brasil tem sido há décadas um líder global em saúde pública”.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que as pessoas também precisam agir seriamente para reverter a aceleração rápida no número de mortes. “Em apenas um mês, a média semanal de óbitos mais que dobrou, de 7.000 para 15 mil. Governo e população precisam levar a pandemia a sério se quiserem mudar esse quadro.”

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.