Descrição de chapéu Coronavírus

Vacinação contra a Covid-19 gera filas e tumulto em Duque de Caxias (RJ)

Alguns dormiram na fila; pessoas acharam postos fechados e reclamaram de falta de informação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

Depois de passarem a noite na fila, idosos agendados para receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19, em Duque de Caxias, no Rio, descobriram só na manhã desta terça-feira (13) que não seriam atendidos. Houve filas e aglomerações nos postos de vacinação.

No começo de março, a vacinação na cidade já havia gerado filas quilométricas e aglomerações em postos de vacinação após ter anunciado vacina para a população acima dos 60 anos. Muitos já haviam voltado para casa sem a aplicação.

Na manhã desta terça, a prefeitura chegou a confirmar, em sua página do Facebook, que havia poucas doses disponíveis e o cronograma teve de ser alterado, sem informar novas datas. Nesta terça, apenas profissionais de saúde foram vacinados no município.

Pessoas não conseguiram receber a segunda dose da vacina contra a Covid, em Duque de Caxias (RJ) - Reprodução

Pessoas relataram que não foram informadas da mudança de datas. “Saí às 5h para tomar a vacina que estava prevista para hoje. Uma fila grande. Chega um guarda e manda ir para o posto”, comentou uma mulher, em um post da prefeitura.

“Cheguei na fila do drive-thru às 5h40 e até 7h30 não tinha ninguém para dar informação. Depois chegou um guarda da prefeitura dispensando o pessoal, pedindo para pegar informação no hospital”, relatou outro morador.

Moradores afirmam também que há falta de informações e dizem não ter respostas da prefeitura sobre o cronograma. No dia 4 deste mês, a estudante Natália Lobo, 24, levou a mãe, de 51, que tem diabetes, para ser vacinada após ter ouvido em entrevista o prefeito Washington Reis (MDB) dizer que pessoas abaixo de 60 anos poderiam ser vacinadas se sobrassem doses.

“Ficamos duas horas no posto, em um sol absurdo, e não houve vacina nem para pessoas acima de 60 anos, porque havia acabado as senhas”, diz Natália.

Em nota, a prefeitura afirmou que nesta quarta-feira (14) seguirá aplicando a vacina em profissionais de saúde e a primeira dose em pessoas com mais de 60 anos, de acordo com o estoque disponível. O calendário da segunda dose está suspenso até sexta-feira (16) e um novo cronograma depende de novos lotes da vacina.

O município não adotou escalonamento gradual na vacinação de idosos. Desde 5 março, todas as pessoas com mais de 60 anos estão habilitadas para receber a vacina, fato que provocou corrida aos postos de saúde do município. O número de idosos, no entanto, é maior do que o estoque disponível de imunizantes.

No mesmo dia, a Justiça do Rio acolheu ação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e impôs multa pessoal de R$ 50 mil ao prefeito Washington Reis e ao secretário de Saúde, Antônio Manoel de Oliveira Neto, por não cumprirem o escalonamento da vacinação, da maior para a menor idade, previsto pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

O município é o mais populoso da Baixada Fluminense, com população estimada em mais de 900 mil pessoas, de acordo com dados de 2020 do IBGE. Em 2010, segundo o último censo, havia 86.719 pessoas com mais de 60 anos na cidade.

A prefeitura afirma já ter vacinado mais de 150 mil pessoas, mas o painel de vacinação do Ministério da Saúde registra 46.663 doses aplicadas até o momento no município.

O MP-RJ também impetrou, no dia 12 de março, mandado de segurança contra o secretário de Saúde requerendo dados detalhados sobre a execução da campanha de vacinação em Duque de Caxias.

Em nota, o órgão afirma que já formula novo requerimento à Justiça cobrando a aplicação de multa e intervenção da Secretaria Estadual de Saúde para assumir a campanha de vacinação no município. O MP-RJ também estuda medidas judiciais, além das multas, para a responsabilização dos agentes públicos envolvidos.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.