Azarão tenta destronar Tom Brady no Super Bowl

Vitória isolará o quarterback do New  England  Patriots como maior campeão da NFL

Eduardo Geraque
Enviado especial a Minneapolis

"Ele é um ótimo quarteback. É inteligente, sabe sempre onde os recebedores estão. Tem recursos para atuar de forma precisa mesmo diante da correria de um jogo."

A declaração do técnico do New England Patriots, Bill Belichick, caberia perfeitamente como mais um elogio ao já consagrado Tom Brady, líder da sua equipe e cinco vezes campeão do Super Bowl.

No entanto, os louvores rasgados se dirigiam a outro quarterback: Nick Foles, 29, seu rival no Super Bowl 52, que será disputado neste domingo (4), às 21h30 (de Brasília), em Minneapolis.

O jogador, que era reserva do Philadelphia Eagles no início da temporada, ganhou a posição no time após a contusão do quarterback titular Carson Wentz, já na reta final da temporada regular, e surpreendeu ao fazer uma partida quase perfeita na final da Conferência Nacional contra o Minnesota Vikings.

Sob a sua liderança, a equipe mostrou um poder ofensivo impressionante e atropelou os rivais por 38 a 7, levando a franquia da Filadélfia para o seu terceiro Super Bowl.

O quarterback Nick Foles, do  Philadelphia Eagles, lança bola durante treino para o  Super Bowl
O quarterback Nick Foles, do Philadelphia Eagles, lança bola durante treino para o Super Bowl - Eric Gay/ Associated Press

Apesar da apresentação de gala no último jogo, muitos ainda duvidam que ele será capaz de repetir o feito e liderar seu time ao título contra a franquia da Nova Inglaterra, que já conquistou cinco vezes o Super Bowl.

Não é o caso de Doug Pederson, técnico dos Eagles. "Ele está fazendo o trabalho dele extremamente bem", resumiu o treinador.

"Ele está conseguindo bloquear a falação [sobre ele] o máximo, para poder focar totalmente no seu trabalho. Ele teve uma preparação muito boa nesta semana", disse o treinador, que desde a contusão do seu quarterback titular sempre mostrou confiança no reserva principalmente após as primeiras boas apresentações do jogador.

A favor de Foles estão características técnicas. Ele é preciso e rápido nos lançamentos acertou 87% dos passes lançados em até 2,5 segundos nos jogos que disputou nos playoffs, segundo o serviço de estatística da ESPN americana, mesmo sob pressão. Porém, há contra ele a desconfiança de nunca ter conseguido fazer uma grande sequência de boas partidas. Há três anos cogitou desistir da carreira após uma série de resultados ruins.

Durante toda a semana de preparação para o Super Bowl 52, o primeiro de sua carreira, o quarterback dos Eagles tentou mostrar que a pressão não irá impactá-lo.

"Todo mundo me pergunta como eu estou. Estou muito bem. Não fico pensando muito sobre como é jogar no Super Bowl. Vou esperar pelo momento e simplesmente jogar", afirmou Foles, demonstrando, pelo menos publicamente, muita calma.

Até mesmo Tom Brady teceu elogios ao rival. "Ele é um quarterback muito bom. Conseguiu fazer bons touchdowns este ano", disse.

O quarterback Tom Brady, do New England Patriots, fala durante entrevista
O quarterback Tom Brady, do New England Patriots, fala durante entrevista - Kevin Lamarque - 1º.fev.2018 / Reuters

DEFESA  

Por mais que o discurso da humildade esteja sempre presente entre os jogadores dos Patriots, é impossível esconder o favoritismo da equipe do quarterback Tom Brady.

O jogador forjado na Universidade de Michigan continua atuando em alto nível mesmo depois dos 40 anos. Por isso, tentar atrapalhá-lo será um dos principais objetivos da defesa dos Eagles.

Os momentos em que Brady mostrou mais fragilidade ao longo desta temporada foram quando se sentiu pressionado, sem uma boa proteção dos seus companheiros de ataque.

Mas, se existe a preocupação de pressionar Brady, há também o cuidado da defesa dos Eagles de cuidar de todo o resto do ataque adversário.

"A defesa deles é composta por jogadores eficientes. Muitos deles também tem experiência e estão fazendo bons jogos", alerta Tom Brady, que, se vencer o jogo deste domingo, conquistará o seu sexto título e se tornará de forma isolada o maior campeão da história do Super Bowl, deixando para trás Charles Haley campeão em 1989 e 1990 pelo San Francisco 49ers e em 1993, 1994 e 1996 pelo Dallas Cowboys.

"O foco tem que ser total. Jogaremos contra uma grande equipe", afirma Brady.

O jornalista viajou a convite da ESPN

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.