Enquanto treina um time, Maradona preside outro a 10 mil km de distância

Técnico do Dorados de Sinaloa, no México, ex-jogador ocupa cargo no Dínamo Brest, de Belarus

Bruno Rodrigues
São Paulo

Menos de dois meses após o término da Copa do Mundo, quando roubou a cena nas arquibancadas nos jogos da Argentina, o ex-jogador Diego Maradona já assumiu a presidência de um clube e o comando técnico de outro, a mais de 10 mil quilômetros de distância do primeiro.
 
Na última semana, o ídolo argentino foi anunciado como treinador do Dorados de Sinaloa, do México. Em julho, porém, Maradona havia sido apresentado como presidente do Dínamo Brest, de Belarus.
 
A apresentação foi cheia de pompa, com cheerleaders e desfile em carro aberto. Os torcedores do Dínamo lotaram uma das arquibancadas do estádio local para ver o campeão mundial de 1986.

“Virou feriado, estádio lotado. Foi uma grande festa. O pessoal está maluco aqui”, diz à Folha o brasileiro Nivaldo Rodrigues, 30, atacante do Dínamo Brest. “Tínhamos um público de 4.000, 5.000 pessoas por jogo. Hoje já temos 7.000. O clube ficou muito mais visado”, afirma.
 
Participante da primeira divisão do país, o Dínamo joga em um estádio para pouco mais de 10 mil espectadores e tem entre suas principais glórias um tricampeonato da Copa Bielorrussa, além de uma Supercopa. Nesta temporada, disputou as etapas iniciais da Liga Europa, mas não chegou à fase de grupos.
 
Com passagens pelo potiguar Alecrim e por clubes de Portugal, Turquia, Cazaquistão e Rússia, Nivaldo Rodrigues foi um dos muitos envolvidos no Dínamo Brest que viu na chegada de Maradona uma oportunidade para também ganhar mais visibilidade.
 
O atacante estava emprestado ao FK Lokomotiv, do Uzbequistão, e não pretendia voltar para o futebol de Belarus, mas a chegada de Maradona mudou seus planos.
 
“Eu não queria ficar aqui no clube. Quando acabaram os seis meses de empréstimo, o Dínamo não quis me vender de forma alguma. Então acabei voltando. Com a chegada do Maradona eu não dificultei. Sabemos que ele é uma figura muito importante”, diz.

Desde o anúncio de que Maradona assumiria a presidência do Dínamo não havia ficado claro qual seria a real participação do ex-jogador argentino no dia a dia do clube.

 

Ele fez somente uma visita a Belarus, justamente para a apresentação diante da torcida. Entre os atletas da equipe, segundo conta Nivaldo, havia a expectativa de que ele assumisse inclusive o comando técnico da equipe.
 
Mas essa expectativa não se concretizou. No último dia 6, o Dorados de Sinaloa, da segunda divisão mexicana, anunciou Maradona como seu treinador. Será o terceiro trabalho dele desde que comandou a seleção argentina na Copa do Mundo de 2010. De lá para cá, treinou o Al-Wasl e o Al Fujairah, ambos dos Emirados Árabes Unidos.

Diego Maradona desembarca no México para assumir o Dorados de Sinaloa
Diego Maradona desembarca no México para assumir o Dorados de Sinaloa - Prensa Club Dorados de Sinaloa/Associated Press

A confirmação do retorno do argentino à função de técnico fez o Dínamo Brest se pronunciar. Em nota, o clube, enfim, explicou qual seria o papel de Diego Maradona.
 
“Suas principais funções são a popularização do futebol bielorrusso, desenvolvimento de infraestrutura, participação em campanhas de transferência, atração de patrocinadores, desenvolvimento do futebol infantil e juvenil”, disse o clube em nota. “Assim, Diego Maradona continua a ocupar o cargo de Presidente do Conselho (Presidente Honorário), ao mesmo tempo combinando-o com o cargo de diretor técnico do clube de futebol mexicano”, completou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.