Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Nem macumba com picanha impediu Bahia de ser campeão nacional há 30 anos

Última conquista do Brasileiro por um time nordestino aconteceu contra o Internacional

Jogadores do Bahia levantam a taça de campeão brasileiro de 1988 no Beira-Rio, em Porto Alegre
Jogadores do Bahia levantam a taça de campeão brasileiro de 1988 no Beira-Rio, em Porto Alegre - Antonio Pacheco/Agência RBS/Folhapress
Alex Sabino
São Paulo

A delegação do Bahia saiu cedo do Hotel Continental, no centro de Porto Alegre. A ideia era estar no Beira-Rio o mais rápido possível e começar a preparação para o jogo.

Quase nada correu como o esperado naquele 19 de fevereiro de 1989. Os jogadores foram impedidos de entrar no vestiário por funcionários do estádio e dirigentes do próprio time baiano.

"Todo mundo ficou curioso. Disseram que alguém havia feito um negócio, mas ninguém dizia o que era. Demorou tanto que a torcida do Internacional começou a chegar", relembra o lateral Paulo Robson.

Alguém do clube gaúcho havia feito uma macumba contra o Bahia e colocado no vestiário. O presidente Paulo Maracajá comandou o grupo de empregados que retirou a encomenda espiritual.

"Era uma macumba estranha, para dizer a verdade. Tinha calabresa, picanha... Era mais um churrasco", se diverte o goleiro Ronaldo.

No grupo do Whatsapp dos jogadores do Bahia campeão brasileiro de 1988, histórias como essa têm sido lembradas nos últimos dias. A conquista completa 30 anos na próxima terça (19).

No Beira-Rio lotado, o time empatou em 0 a 0 com o Inter e ficou com o troféu, a última vez que o título nacional foi conquistado por um clube do Nordeste.

A resposta do Bahia à macumba gaúcha foi deixar o roupeiro incumbido de encharcar o vestiário de perfume de alfazema, para "benzer" os jogadores.

Muito pouco da campanha da equipe naquele torneio foi comum. O regulamento dividiu as 24 agremiações em dois grupos de 12. Em sistema de ida e volta, se classificaram os dois primeiros colocados das chaves em cada turno.

O Bahia avançou sem conseguir isso. Ficou com a oitava vaga porque o Vasco foi o primeiro do Grupo B durante toda a primeira fase. A equipe nordestina se classificou por ter a melhor campanha geral entre os demais times.

"Nós fomos campeões com salários atrasados. Nossa renda era basicamente as premiações por vitórias e classificações. Ficava sempre um jogador no banco de reservas com uma calculadora para ver quanto a gente ia receber de bicho no vestiário", relembra o meia Zé Carlos.

O Bahia tinha uma base montada que havia vencido o estadual três vezes seguidas. Faltava um treinador. 

O assessor do Clube dos 13, José Carlos Vilela, que reunia os principais clubes do país, disse que Maracajá deveria contratar Evaristo de Macedo. Ele havia voltado do Qatar e estava desempregado.

"Evaristo protegia os jogadores. Por ser quem era, jogar o que jogou e ter ganhado tudo no futebol, ele batia de frente com a imprensa e a diretoria para nos proteger", constata Ronaldo.

A partir das quartas de final, o Bahia teve o estádio da Fonte Nova como arma. Por instruções da diretoria, o gramado não era cortado. Alta, a grama deixava o jogo mais lento. Desacostumados, os atletas adversários levavam tempo para se habituarem. E quando isso acontecia, logo cansavam.

E ainda havia a torcida.

"O jogo contra o Fluminense foi uma coisa assustadora. Eu nunca havia visto um estádio lotado daquele jeito. Era um mar de gente", relembra Bobô, o astro da equipe e que depois do título se transferiria para o São Paulo.

Ele se refere à segunda partida da semifinal. Os 110.438 pagantes representaram o maior público da história da Fonte Nova. O Bahia venceu de virada por 2 a 1 e avançou à decisão.

Antes disso, o time havia empatado duas vezes com o Sport nas quartas de final e se classificado por ter a melhor campanha. No último lance da prorrogação, o atacante Robertinho saiu na cara do gol e Ronaldo fez a defesa.

"O momento que a gente acreditou no título foi naquela partida contra o Fluminense. A gente viu aquela massa na arquibancada e foi momento mágico", concorda Paulo Robson, que hoje trabalha nas categorias de base do Santos.

O título nasceu a partir do mata-mata por uma conjunção de fatores. O Bahia cresceu no momento certo, teve a sorte e o talento a favor em lances decisivos e foi o instante em que Evaristo encontrou a formação ideal.

Depois de mudar o esquema e as escalações durante a primeira fase, a partir das quartas de final ele se fixou em uma escalação. A definição daria ao Bahia o segundo título brasileiro de sua história. O primeiro havia sido em 1959.

"Acho que entre as conquistas nacionais de times nordestinos, esta foi a mais memorável. A de 1959 era outro formato, com menos times. A do Sport em 1987 foi bastante contestada e até hoje dá polêmica. Nós ganhamos o título em 26 partidas e seis meses de campeonato", conclui o goleiro Ronaldo.

Sem dar atenção à macumba ("sou mais o Nosso Senhor do Bonfim", disse Evaristo antes da partida), o Bahia jogou pelo empate no Beira-Rio. Havia vencido em Salvador de virada (assim como acontecera diante do Fluminense), com dois gols de Bobô.

"Nós jogamos com o nervosismo do Inter. Com o passar do tempo, eles foram ficando mais e mais apavorados. Tanto que nos 15 minutos finais, as melhores chances foram nossas", afirma o técnico.

Só não houve festa pela conquista histórica. Pelo menos isso não aconteceu para os jogadores. Eles ficaram em Porto Alegre mais três dias porque enfrentaram de novo o Inter, mas pela Libertadores.

Foi só depois disso que puderam voltar a Salvador.

Os 30 anos do título do Bahia vão virar livro e documentário a serem lançados em 2019. Os integrantes do elenco criaram a Associação dos Campeões Brasileiros de 88.

Campanha
29 jogos
13 vitórias
11 empates
5 derrotas
33 gols marcados
23 gols sofridos

Time base

Ronaldo; Tarantini, João Marcelo, Claudir e Paulo Robson; Paulo Rodrigues, Zé Carlos, Bobô e Gil; Charles e Marquinhos
Técnico: Evaristo de Macedo

Quartas de final

29.jan.89 - Sport 1x1 Bahia
1.fev.89 - Bahia 0x0 Sport

Semifinal

9.fev.89 - Fluminense 0x0 Bahia
12.fev.89 - Bahia 2x1 Fluminense

Final

15.fev.89 - Bahia 2x1 Internacional
19.fev.89 - Internacional 0x0 Bahia

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.