Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Veja a evolução dos escudos dos 20 clubes da Série A do Brasileiro

Prática de mexer nos distintivos era comum no início da história de cada time

Bruno Rodrigues
São Paulo

Quem acompanha futebol talvez não perceba em um primeiro olhar, mas o escudo da CBF mudou. Seguiu um padrão que já era utilizado desde o início da década de 1990, mas com alguns ajustes nas cores e nas faixas verde e amarela que compõem o símbolo da entidade.

Já não se pode dizer o mesmo do Athletico-PR, que no fim do ano passado anunciou uma mudança não só no escudo, mas em toda a sua identidade visual. No caso dos paranaenses, o distintivo passou por uma clara ruptura.

Athletico-PR promoveu uma ruptura histórica com o seu novo escudo, lançado no fim do ano passado
Athletico-PR promoveu uma ruptura histórica com o seu novo escudo, lançado no fim do ano passado - Rodolfo Buhrer/Reuters

Ações como a do Athletico-PR dividem o torcedor, que a partir deste fim de semana passa a acompanhar sua equipe de coração no Campeonato Brasileiro de 2019. De um lado, o mais tradicionalista não gosta de câmbios significativos. Do outro, há quem defenda a interferência até mesmo em símbolos históricos como parte de um processo de modernização.

Para o publicitário e designer gráfico Adriano Ávila, fundador do site futbox.com, que há mais de 25 anos se dedica a pesquisas sobre identidade visual no futebol, o desafio dos responsáveis por redesenhar os símbolos de uma equipe tradicional está em dar um toque moderno aos escudos sem perder a história que acompanha esses brasões.

"Só ser qualificado profissionalmente na área de branding, de identidade visual e design não é suficiente para fazer uma gestão de marca de um clube de futebol. Você tem que analisar e entender como é a relação do clube com seu torcedor, o que faz sentido para ele", diz Ávila à Folha.

Há, porém, uma grande barreira a ser enfrentada pelos profissionais envolvidos nesses processos, sejam eles do departamento de marketing do clube ou de agências especializadas contratadas.

Algumas instituições não têm controle sobre a própria história. É o caso, por exemplo, de dois dos principais times do Nordeste, Bahia e Fortaleza, ambos participantes da Série A do Campeonato Brasileiro deste ano.

Os baianos iniciaram recentemente um trabalho de resgate da história tricolor.

"O clube nunca tratou de sua memória decentemente. De maneira que começamos [esse trabalho] do zero. A linha do tempo dos escudos nós não temos, e não vejo como podemos ter isso a curto prazo", afirma Luiz Teles, integrante do departamento de história do Bahia.

No Fortaleza, os profissionais que assumiram a tarefa de preservação da memória do clube reclamam do mesmo problema. Inclusive, o primeiro livro de atas de sua história está desaparecido.

"A história mais antiga dos clubes cearenses é muito mal documentada. Daí a dificuldade de reconstituir o passado do nosso futebol antes dos anos 1960. É lastimável que nossos dois maiores clubes tenham perdido troféus, fotos e outros documentos", afirma Dorelland Lima, historiador do Fortaleza.

Em 2017, a Juventus (ITA) promoveu a revitalização de sua marca, deixando para trás um formato de escudo mais tradicional. No novo distintivo, a letra "J" passou a ser o elemento central.

Para Ávila, que participou do projeto de revitalização da identidade visual do América-MG há dois anos, o risco para o clube italiano é muito menor do que o enfrentado pelo Athletico-PR. E isso está diretamente ligado à relevância global dessas equipes, além do desempenho em campo.

"O que a Juventus quis dizer com a mudança? Que ela agora é mais do que um clube de futebol, ela é um estilo de vida. Ela pode fazer isso porque ela é uma senhora instituição no futebol. A abrangência da Juventus é mundial", afirma o designer sobre o time octacampeão italiano.

"Eu não acredito que essa revitalização do Athletico-PR, como ela está hoje, vá durar o mesmo tempo que a da Juventus, por exemplo. O Athletico-PR ainda teria de se posicionar em um nível nacional. Para fazer o que ele fez, vai depender muito do desempenho em campo. Principalmente na cultura do Brasil, onde as coisas se sustentam muito no resultado", completa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.