Maioria desconfiava da seleção em 1994? Não foi bem assim

Antes do Mundial, 66% dos brasileiros acreditavam na seleção, segundo Datafolha

São Paulo

A seleção brasileira chegou aos Estados Unidos para a Copa de 1994 criticada em TV's, rádios e jornais. A torcida (ao menos a maioria dela), porém, não via com desconfiança o time que venceu o quarto título mundial do Brasil. 

Na semana de estreia da equipe, 66% dos entrevistados pelo Datafolha acreditavam que o Brasil voltaria dos Estados Unidos como campeão. Em 2002, antes de a seleção vencer o penta, 64% dos brasileiros diziam confiar na vitória da equipe nacional, mesmo índice registrado em 2010, no Mundial da África do Sul.

O Brasil venceu a Copa de 1994 com cinco vitórias e dois empates —um deles na final, quando ganhou na disputa por pênaltis depois do jogo terminar 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação.

Nas últimas edições de Copa, o menor índice de confiança da torcida foi registrado antes do Mundial da Rússia de 2018, com 48% dos torcedores dizendo acreditar na conquista. O maior foi o da Alemanha, de 2006, com confiança de 83%, segundo o Datafolha. Em 2014, 68% dos brasileiros diziam a acreditar na conquista do hexacampeonato. Em 1998, o Datafolha não realizou a pesquisa. 

Quanto ao interesse pela competição, 1994 representou o ápice da série histórica do Datafolha. Segundo pesquisa, 56% dos brasileiros declaravam ter grande interesse na competição realizada nos Estados Unidos, enquanto outros 20% diziam não ter interesse algum.

Nos mundiais subsequentes, a tendência foi de queda. Na edição seguinte, em 2002, realizada no Japão e na Coreia do Sul, 42% estavam muito interessados e 22% desinteressados.

O ano de 2014 marcou a inversão dos números e o desinteresse passou a prevalecer. Mesmo com o evento ocorrendo dentro do país, somente 25% dos brasileiros estavam muito interessados nele. O menor índice foi registrado na Rússia, em 2018, quando 18% dos brasileiros disseram ter grande interesse e 53% se disseram desinteressados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.