Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Grande no feminino, Ferroviária estraga festa corintiana

Equipe de Araraquara vence Corinthians no Parque São Jorge e conquista bicampeonato brasileiro

Renan Marra
São Paulo

Contra um Corinthians acostumado a feitos nesta temporada –não perdia há 37 jogos–, a Ferroviária inovou ao se sagrar campeã do Brasileiro feminino, neste domingo (29), em pleno Parque São Jorge.

A vitória nas cobranças de pênaltis, por 4 a 2, consagrou o time de Araraquara como o primeiro bicampeão do Nacional da categoria, disputado desde 2013. Teve também a primeira treinadora, Tatiele Silveira, 39, a vencer a competição da CBF.  "Espero que o título possa servir de inspiração para outras mulheres", disse.

 

Fundada em 1950, a Associação Ferroviária de Esportes foi uma das pioneiras na criação da equipe feminina profissional, em 2001, e sempre se destacou na modalidade. Contra o Corinthians, repetiu o título que havia conquistado em 2014. Desde então, não chegava a uma decisão do Nacional.

Neste domingo, mais de 6.000 pessoas compareceram ao jogo, que teve todos os ingredientes de uma grande decisão. A entrada das atletas em campo foi celebrada com fogos de artifício. Com a bola rolando, muita disputa e tensão até os últimos segundos.

O time corintiano teve amplo domínio da partida, mas parou na goleira Luciana, a grande destaque do jogo. Nos pênaltis, Tamires e Ingryd erraram suas cobranças.

Aos gritos de "time de guerreiras", torcedores corintianos apoiaram as suas jogadoras após a derrota. A equipe da casa deixou escapar a taça com dois empates– 1 a 1, em Araraquara, e 0 a 0, em casa. As alvinegras também disputam a final do Campeonato Paulista, contra o São Paulo, em novembro.

Nas arquibancadas da Fazendinha, havia equilíbrio entre homens e mulheres. Torcedores organizados só chegaram no intervalo da partida. Vieram da Arena Corinthians, em Itaquera, onde o time masculino venceu o Vasco, por 1 a 0, em partida que começou às 11h.

No Parque São Jorge, porém, muitos corintianos não estavam preocupados com o time masculino. Antes da partida final, o consultor de TI Flavio Marques não sabia que a equipe de Cássio e Ralf estava atuando naquele momento. 

"O futebol feminino é mais ofensivo, tem mais emoção e os ingressos são mais baratos", afirmou. 

A torcedora Sirlene de Souza compartilha a opinião. "Ontem pesquisamos os ingressos dos dois jogos. No masculino o mais barato custava R$ 80", diz. Para a partida feminina, os ingressos custaram de R$ 10 a R$ 20.

A assistente administrativa Beatriz Sales, 24, acompanha o Corinthians feminino desde o título da Libertadores, em 2017. Mas foi a partir da Copa do Mundo feminina deste ano que ela passou a não perder um jogo sequer. “A torcida cresceu muito nos últimos meses”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.