Descrição de chapéu
André Barcinski

Domínio do Flamengo é o começo do fim do futebol brasileiro

Brasileiro mais desigual da história é fruto do crescente abismo nas cotas de TV

São Paulo

O Flamengo sobrou em 2019. Foi campeão da Libertadores e venceu o Brasileiro com quatro rodadas de antecedência. A superioridade do time rubro-negro não tem paralelo na história de nosso futebol. Nunca se viu uma disputa tão desequilibrada.

Mas esse desequilíbrio era só questão de tempo. Quem acompanha os bastidores de nosso futebol sabe que isso é resultado, em grande parte, de uma estratégia financeira iniciada há menos de uma década pelo Grupo Globo, detentor dos direitos de transmissão do Nacional. A emissora vem, ano a ano, desequilibrando as cotas de TV dos times.

Em 2011, cinco times da série A (Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Vasco) recebiam as cotas máximas, de R$ 40 milhões (em valores corrigidos pela inflação). Na parte de baixo da tabela de pagamentos, os times recebiam R$ 20,8 milhões. 

Corta para 2019: ainda não é possível saber com exatidão o valor total de cotas de TV, porque alguns números estão condicionados a fatores como classificação final e número de jogos transmitidos pela TV. Mas só no pay-per-view, o Flamengo receberá R$ 120 milhões contra equipes que faturam cerca de R$ 6 milhões.

Só para efeito de comparação, o campeonato inglês, atualmente considerado por muitos como o de melhor nível técnico do mundo, pagará ao campeão da temporada passada, o Manchester City, pouco mais de 150 milhões de libras (cerca de R$ 815 milhões) em direitos de TV, enquanto o vigésimo colocado, o Huddersfield Town, levará 96 milhões de libras (R$ 522 milhões).

Quando o assunto é equilibrar competições, o Brasil caminha na contramão de outros países. Nos campeonatos profissionais dos Estados Unidos de basquete, futebol americano e hóquei no gelo, os piores colocados de uma temporada têm a preferência para escolha nos “drafts”, a seleção de jogadores das ligas universitárias. Os americanos entendem que uma liga só se sustenta com campeonatos equilibrados.

Por aqui, o desequilíbrio se acentua ano a ano. Nas últimas cinco edições do Brasileiro , os títulos foram disputados, principalmente, por três clubes: Corinthians, Palmeiras e Flamengo. E só vai piorar.

Ninguém está culpando os clubes favorecidos financeiramente. Eles estão apenas aproveitando uma situação que lhes privilegia. Enquanto isso, os outros clubes brasileiros sofrem com administrações amadoras e falta de planejamento, e veem o abismo financeiro aumentar. 

Para quem cresceu amando o futebol brasileiro por seu equilíbrio e histórico de “zebras” e surpresas (o Guarani campeão em 1978, o Coritiba em 1985, o Bahia em 1988), é triste ver que uma “espanholização”  (assim chamada por emular o futebol espanhol, dominado por dois times, Barcelona e Real Madrid) chegou com força por aqui.

Não é coincidência que o número de brasileiros que dizem não ter interesse nenhum por futebol cresceu consideravelmente nos últimos oito anos. Em pesquisa Datafolha realizada de 29 a 30 de janeiro de 2018, 41% dos entrevistados disseram não ter interesse por futebol. O índice é dez pontos percentuais maior que o de pesquisa realizada em abril de 2010, a última que abordou esse tema.

Triste também é verificar como boa parte de nossa mídia esportiva aprova a onda monopolista e usa narrativas questionáveis para justificar sua defesa. Nos últimos tempos, a imprensa esportiva brasileira foi tomada por reportagens sobre a “revolução financeira do Flamengo”, como se o clube, que é um dos mais endividados do país (cerca de 400 milhões de reais), fosse um exemplo de administração.

É fato que o Flamengo vive uma fase excelente, e o atual comando não parece repetir as políticas perdulárias e amadoras de gestões passadas. Mas que o doping financeiro injetado pela TV é significativo, não há dúvida.

Mas isso virou assunto proibido nas Redações. Coisa de estraga-prazeres. E o que se viu nas últimas semanas foi uma das mais vergonhosas páginas da história de nosso jornalismo esportivo. Com raras exceções, jornalistas se transformaram em batedores de bumbo e chefes de torcida.

Vimos comentaristas veteranos esquecerem a diferença entre jornalismo e entretenimento, surfando na mesma onda emburrecedora que tenta aniquilar a crítica de cinema e música e substituí-las por “influencers” digitais que se vendem por “likes”. 

Nos últimos 30 anos, por 20 vezes times brasileiros chegaram à final da Libertadores, mas nunca se viu uma campanha tão feroz para que o país inteiro se unisse na torcida a um time só. “Secar” o adversário, uma divertida tradição de nosso futebol, virou quase uma traição à pátria.

Os políticos, claro, abraçaram a onda do “país unido”: o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, que até dias atrás era corintiano, foi a Lima ver a final da Libertadores e ajoelhou-se aos pés do atacante Gabriel, herói da vitória rubro-negra. E em visita à China, o presidente Jair Bolsonaro, palmeirense, presenteou o líder chinês, Xi Jinping, não com uma camisa da seleção brasileira, mas com um agasalho do clube carioca.

“Tenho certeza de que 1,3 bilhão de chineses serão Flamengo”, disse Bolsonaro. 

A única saída possível para evitar a “espanholização” do futebol brasileiro seria o público cancelar suas assinaturas de pay-per-view e boicotar anunciantes, forçando a TV a repensar sua estratégia. Mas isso teria de partir não só dos que ganham menos, mas do que estão ganhando mais. Aniquilar a concorrência não é bom para competições esportivas. Tente disputar um campeonato jogando sozinho para ver o que acontece.

Infelizmente, o Flamengo não parece compactuar com essa visão. Tanto que seu departamento de marketing não cansa de repetir o slogan “Somos todos, menos alguns”, frase que parece saída de alguma cartilha totalitária de Pol Pot ou Suharto. “Alguns”, no caso, são os 170 milhões de brasileiros que torcem por outros times. Resta ao futebol brasileiro decidir se é de todos ou de alguns.

Jornalista e diretor de TV, autor de “"Pavões Misteriosos - A Explosão da Música Pop no Brasil"

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.