Contra homofobia, clubes brasileiros passam a promover camisa 24

Gabigol deve usar número pelo Fla; Santos e Fluminense também aderiram

São Paulo

Na esteira do Bahia, que na semana passada anunciou uma campanha contra a homofobia no futebol, chamada "Número do Respeito", outros grandes clubes do país aderiram ao movimento nos últimos dias.

Na terça-feira (28), o jogador Flávio, 23, entrou em campo pela Copa do Nordeste com a camisa tricolor da equipe baiana e o número 24 às costas.

Flávio entrando em campo com a camisa 24 antes da partida contra o Imperatriz
Flávio entrando em campo com a camisa 24 antes da partida contra o Imperatriz - Felipe Oliveira - 28.jan.2020/EC Bahia

Após a ação do Bahia, que coincidiu também com a morte de Kobe Bryant e uma série de homenagens ao astro do basquete usando a camisa 24 que ele eternizou, a revista Corner, publicação sobre futebol, criou ainda uma outra campanha, a "Pede a 24", para incentivar jogadores a usarem a camisa.

Tendo como principal difusor o jornalista Mauro Beting, a iniciativa ganhou destaque nos principais programas de televisão e endosso de nomes da mídia esportiva.

"24 não é só um número qualquer. Ele carrega as digitais criminosas do preconceito. Não mais! São dois dígitos que contam para quem precisa virar esse jogo", diz o texto assinado por Beting.

No Brasil, o número é associado à homossexualidade de maneira preconceituosa por ele representar o animal veado no jogo do bicho.

Antes da partida contra o Resende, o atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol, publicou um "24" nas suas redes sociais, acompanhado de hashtags contra a homofobia e em homenagem a Kobe Bryant. O flamenguista, que vestiu a 9 na vitória desta segunda (3), deve usar a camisa 24 no sábado (8), contra o Madureira.

O Santos também fez questão de anunciar que o atacante Tailson vestiria a 24 no clássico contra o Corinthians, no domingo (2). "O Peixe joga como #NúmeroDoRespeito!", publicou o clube. O atleta ficou no banco de reservas.

Os corintianos não se pronunciaram nas redes sociais ou fizeram referências à campanha. Ainda assim, decidiram dar na semana passada a camisa 24 ao volante Víctor Cantillo, que já a usava no futebol colombiano.

Em janeiro, quando o atleta foi apresentado no Corinthians, o diretor de futebol Duílio Monteiro Alves disse "24, aqui, não". Mais tarde, desculpou-se pelo que chamou de "brincadeira infeliz".

O Fluminense, que nesta terça-feira (4) enfrenta o Unión La Calera (CHI) pela Copa Sul-Americana, divulgou que o meia Nenê, um dos principais nomes da equipe, será o camisa 24 durante a competição, entrando na corrente contra a homofobia. No torneio internacional, os clubes são obrigados a usar a numeração de 1 a 30.

O meia Nenê, do Fluminense, com a camisa 24, em campanha contra a homofobia
O meia Nenê, do Fluminense, com a camisa 24, em campanha contra a homofobia - Lucas Merçon - 3.fev.2019/Fluminense FC

Segundo levantamento publicado pela Folha na semana passada, o número 24 é encontrado quatro vezes mais em ligas estrangeiras em comparação com o futebol brasileiro.

ocorrência de camisas 24 no Campeonato Brasileiro representou 0,5% do volume total nos últimos cinco anos. Essa média é de 2,5% quando considerados torneios nacionais na Europa (Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Portugal), Ásia (Japão, Coreia do Sul e China) e Argentina.

A análise também mostrou não se tratar de uma baixa preferência no Brasil por números altos em geral, já que as opções de uniformes adjacentes, 23 e 25, representam 2,26% e 2,34% do total, criando uma variação não encontrada em nenhuma outra comparação entre três números sequenciais.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.