Não dá para falar em inocência, diz promotora sobre Ronaldinho

Ex-jogador e irmão afirmam que receberam documentos adulterados de empresário

São Paulo

Após permanecer no Ministério Público do Paraguai por oito horas, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho, 39, precisa ficar à disposição da Justiça do país pelo menos até esta sexta-feira (6), quando ele e seu irmão, Roberto de Assis, deverão prestar depoimento a um juiz.

Os brasileiros estão sob custódia da polícia no hotel Yacht y Golf Club, na cidade de Lambaré, próximo a Assunção. Eles estão sendo investigados pela Procuradoria por portarem documentos de identidade e passaporte falsificados.

Nesta quarta, os irmãos foram interrogados pelo Ministério Público e saíram sem dar entrevistas. Eles chegaram no local por volta das 8h e permaneceram até as 16h.

“Colaboraram com a investigação com declarações e apresentações de documentos”, disse a promotora Alicia Sapriza à Folha.

 

Ronaldinho reiterou no Ministério Público o que havia dito para policiais, que receberam a documentação falsa do empresário brasileiro Wilmondes Sousa Lira, detido na quarta.

Sapriza afirmou que, independentemente de acreditar nessa versão, os irmãos devem ser acusados por portarem documentações falsas.

​“Ronaldinho e seu irmão ingressaram no no​sso país usando documentos de conteúdos falsos. Não dá para falar de inocência”, declarou a promotora. “Para Ronaldinho e seu irmão, essa [citar o envolvimento de Lira] é uma saída processual alternativa, porque os documentos que temos confirmam que esse outro brasileiro seria o responsável por entregar os documentos para eles."

​O advogado dos irmãos, Sérgio Queiroz, está no Brasil. Sem conseguir ir para Assunção a tempo, contratou dois advogados paraguaios para ajudá-lo na defesa. Queiroz acredita que seus clientes serão liberados após prestarem suas versões para a Justiça paraguaia.

 

​“O passaporte é válido. O erro foi na forma como foi feito, não seguiu o protocolo, e eles não têm culpa disso. Amanhã estarão de volta ao Brasil, porque não falsificaram nada”, disse Queiroz. “Essa falha na expedição ocorreu com outras pessoas, mas o Ronaldinho é o único famoso que está prestando esclarecimentos. Se eles tivessem cometido crime, já estariam presos."

Único detido até o momento, Wilmondes prestou depoimento na tarde desta quinta-feira. De acordo com seu advogado, Marcos Estigarriba, ele decidiu ficar em silêncio durante a oitiva.

"Ele vai colaborar com a Justiça. Vai mostrar que não tem nada a esconder e que não está envolvido em nada passível de punição. Vamos ter acesso ao processo, aos documentos, analisar ponto a ponto. Por enquanto, não vamos falar nada", disse Estigarribia, à Rádio Ñandutí.

Os integrantes da Polícia Nacional, do Ministério do Interior e do Ministério Público foram até a suíte onde Ronaldinho e seu irmão Assis estão hospedados, no hotel Yacht y Golf Club, nesta quarta-feira (5) por volta das 21 horas. No local, dizem ter encontrado passaportes e cédulas de identidade paraguaias falsas nos nomes de Ronaldinho e Assis.

Ronaldinho Gaúcho no desembarque em Luque, no Paraguai, para uma série de eventos - Norberto Duarte 4.mar.2020/AFP

Os números dos documentos apreendidos pertencem a outras pessoas, segundo o promotor do caso, Federico Delfino, que concedeu entrevista à imprensa paraguaia na manhã desta quinta. ​Delfino disse que passaporte foi expedido em janeiro deste ano, e as cédulas de identidade, em dezembro do ano passado.

Não é a primeira vez que o nome de Ronaldinho é ligado a problemas com seu passaporte. Em novembro de 2018, ele e Assis chegaram a ter seus documentos brasileiros apreendidos após condenação por um crime ambiental no Rio Grande do Sul.

Ele fora condenado a pagar mais de R$ 8,5 milhões pela construção de um píer em área de proteção ambiental no lago Guaíba, na capital gaúcha. Como não cumpriu a sentença, teve o passaporte retido.

Em setembro do ano passado, um acordo com o Ministério Público do Rio Grande do Sul permitiu que ele recuperasse o documento. Os termos da negociação não foram publicados à época.

Pouco antes de fechar esse acordo, Ronaldinho havia sido nomeado embaixador do turismo brasileiro pela Embratur, instituto ligado ao Ministério do Turismo. A nomeação ocorrera mesmo sem o documento que permite viagens ao exterior.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.