Descrição de chapéu Tóquio 2020 Coronavírus

Patrocinadores mantêm apoio bilionário à Olimpíada adiada

Principais parceiros do Comitê Olímpico Internacional concordam com decisão

Sheila Dang Tom Hals
Reuters

Os grandes patrocinadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio decidiram manter seu apoio ao Comitê Olímpico Internacional (COI) depois que a Olimpíada foi adiada, e especialistas que conhecem bem seus contratos disseram que as empresas provavelmente não buscarão a devolução dos bilhões de dólares envolvidos.

Catorze grandes companhias internacionais, entre as quais Coca-Cola, Procter & Gamble e Intel, gastaram US$ 500 milhões neste ano e assinaram contratos plurianuais em valor de mais de US$ 4 bilhões que as designam como patrocinadores olímpicos de primeira linha, de acordo com o grupo de pesquisa Global Data.

Na terça-feira (24), a Olimpíada de Tóquio foi adiada para 2021, a primeira vez que isso acontece nos 124 anos de história moderna do evento, devido à pandemia do coronavírus.

Depois do anúncio, cinco dos maiores patrocinadores, Procter & Gamble, Intel, Airbnb, Coca-Cola e Samsung, reafirmaram seu compromisso com os Jogos. A Bridgestone buscará “soluções criativas” com relação a um possível adiamento, informou a empresa à Reuters antes do anúncio.

“Como mais antigo patrocinador dos Jogos Olímpicos, mantemos nosso compromisso de trabalhar com o COI e o Tocog (comitê organizador de Tóquio, na sigla em inglês) para criar um evento seguro e bem-sucedido”, anunciou um porta-voz da Coca-Cola.

A Samsung informou, em mensagem à Reuters, que “continuaremos a trabalhar em estreito contato com o COI e os organizadores dos Jogos a fim de garantir uma Olimpíada segura e memorável”.

A despeito do pesado custo financeiro para os patrocinadores, as companhias em geral se veem como parceiras de longo prazo do COI.

“Sem dúvida, o COI e o Japão estão trabalhando em estreito contato com aqueles 14 patrocinadores”, disse Jason Karlov, sócio do escritório de advocacia Barnes & Thornburg, que trabalhou em contratos de patrocínio anteriores do COI. “Eles estão ávidos por manter o movimento olímpico em atividade e prosperando."

No entanto, mesmo que uma companhia desejasse a devolução do dinheiro de seu contrato de patrocínio olímpico, é improvável que o contrato com o COI permita que isso aconteça, de acordo com advogados familiarizados com eles.

Os dólares dos patrocínios são cruciais para as operações do COI, que é uma organização sem fins lucrativos bancada primordialmente pela venda de direitos televisivos e por contratos de patrocínio. As companhias em geral pagam uma parte do valor acordado assim que o contrato é assinado, e o valor restante é pago em prestações ao longo da duração do acordo.

Homem caminha falando ao celular e utilizando uma máscara de proteção próximo ao monumento dos anéis olímpicos de Tóquio, no Japão
Os anéis olímpicos na cidade de Tóquio - Behrouz Behrouz/AFP

Alguns contratos de patrocínio podem requerer que o COI ofereça compensação aos seus patrocinadores em caso de adiamento por um ano ou mais, disseram advogados consultados pela Reuters.

As compensações podem incluir merchandising, para os fabricantes de bens de consumo, vídeos promocionais ou eventos realizados durante a Olimpíada, disse Eric Bergner, advogado no escritório Manatt, Phelps & Phillips, de Nova York.

Mesmo com esses incentivos, algumas empresas podem encontrar dificuldades para manter os custosos contratos de longo prazo, à medida que a difusão do coronavírus causa estragos na economia mundial, afirmou um importante executivo de mídia.

O grupo McDonald’s encerrou seu contrato de patrocínio olímpico, que já durava muito tempo, em 2017, quando a cadeia de restaurantes estava reformulando operações e cortando custos.

“Creio que é claramente uma possibilidade que alguns patrocinadores busquem encerrar de vez seus contratos de patrocínio, invocando as dificuldades generalizadas”, disse James Johnson, sócio do escritório de advocacia Davis and Gilbert, que representa um dos grandes patrocinadores atuais da Olimpíada. “Nada pode ser descartado”, disse o executivo de mídia.

Michael Lynch, sócio da companhia de marketing esportivo 3 Emerald Marketing, afirmou que o COI provavelmente trabalhará com os patrocinadores mesmo que não tenha a obrigação legal de fazê-lo.

“O COI tem a obrigação de respeitar a integridade e o espírito dos acordos, que envolvem realizar uma Olimpíada de inverno e uma Olimpíada de verão a cada período de quatro anos”, disse Lynch, que já trabalhou em contratos de patrocínio, por exemplo em seus 17 anos como funcionário da Visa.

“A última coisa que o COI deseja é contrariar as organizações comerciais com quem forma parcerias para bancar os Jogos”, ele disse.

O TAMANHO DOS JOGOS

US$ 26 bilhões
é a estimativa de custos mais recente do Japão com o evento, após uma auditoria governamental, incluindo gastos do comitê organizador e do poder público. Oficialmente, o comitê organizador aponta US$ 12,6 bilhões

US$ 5,7 bilhões
foi o total das receitas do COI no último ciclo olímpico (quatro anos). Cerca de 73% são referentes a direitos de transmissão (US$ 4,2 bilhões), e 18%, a contratos de patrocínios (US$ 1 bilhão)

US$ 3 bilhões
é o valor dos contratos de patrocínio domésticos firmados para Tóquio-2020

Principais patrocínios do COI
Airbnb
Alibaba
Atos
Bridgestone
Coca-Cola
Dow
General Electric
Intel
Omega
Panasonic
Procter & Gamble
Samsung
Toyota
Vis

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.