Descrição de chapéu Velocidade

Mercedes terá carro preto na F-1 como parte de campanha antirracista

Equipe de Lewis Hamilton anunciou a mudança para a temporada que começa domingo (5)

São Paulo

A Mercedes anunciou nesta segunda-feira (29) que utilizará carros na cor preta durante toda a nova temporada da F-1, que terá seu primeiro GP no próximo domingo (5), em Spielberg, na Áustria.

Escuderia de Lewis Hamilton, Mercedes apresentou seus novos carros na cor preta em campanha antirracista
Escuderia de Lewis Hamilton, Mercedes apresentou seus novos carros na cor preta em campanha antirracista - Mercedes/Divulgação

A equipe de Lewis Hamilton, hexacampeão da categoria e voz mais representativa do mundo da velocidade com relação às questões raciais, abandonará momentaneamente a cor prata que identifica historicamente a escuderia em uma iniciativa de apoio à luta antirracista.

Além da nova pintura, os veículos de Hamilton e de seu companheiro Valtteri Bottas terão a mensagem "End Racism" (Acabe com o racismo, em inglês) no protetor de cockpit.

Segundo a Mercedes, o movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam) acendeu a luz sobre a necessidade de se posicionar a favor do combate ao racismo.

Recentemente, Lewis Hamilton foi às ruas de Londres e participou de manifestação contra o racismo, uma entre tantas que surgiram ao redor do mundo desde a morte de George Floyd, um norte-americano negro de 46 anos morto após ser sufocado por um policial branco em Minneapolis, nos Estados Unidos.

Hamilton, que levou um cartaz com a inscrição "Black Lives Matter", também cobrou que seus colegas de F-1 se posicionem mais no combate às questões raciais.

"Racismo e discriminação não têm lugar em nossa sociedade, no nosso esporte ou na nossa equipe. Essa é uma crença central na Mercedes", afirmou Toto Wolff, chefe da equipe, em um comunicado.

"Esperamos utilizar nossa voz e nossa plataforma global para pedir por respeito e igualdade, e a Flecha Prateada correrá na cor preta por toda a temporada 2020 para mostrar nosso compromisso com uma maior diversidade na nossa equipe e no nosso esporte", completou Wolff.

A Mercedes afirmou que apenas 3% de seus funcionários se identificam como parte de grupos de minorias étnicas, além de somente 12% serem mulheres.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.