Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/01/2007 - 10h32

Suplentes doaram para a campanha de 15 senadores

Publicidade

FERNANDA KRAKOVICS
da Folha de S.Paulo, em Brasília

Dos 81 senadores que farão parte da próxima legislatura, 15 receberam doações de campanha de seus suplentes, que podem assumir o mandato sem terem recebido nenhum voto. No ano passado, 27 senadores foram eleitos e cinco foram financiados, em parte, pelos seus possíveis substitutos.

O montante doado pelos suplentes varia de R$ 5.000 a R$ 1,2 milhão. Se o critério for o total arrecadado, as quantias vão de 0,75% a 50%. Atualmente, 12 senadores no exercício do mandato são suplentes, ou seja, 15% do Senado.

O caso mais emblemático é o do ministro Hélio Costa (Comunicações), eleito senador em 2002 e licenciado desde julho de 2005. Seu suplente, Wellington Salgado (PMDB-MG), financiou 50% da campanha. Salgado e sua família são donos da Universo (Universidade Salgado de Oliveira) e da Unitri (Centro Universitário do Triângulo). Salgado é presidente da Comissão de Educação e jamais exercera cargo eletivo.

Valdir Raupp (PMDB-RO) disse que recebeu, em 2002, proposta de pagamento por uma das duas vagas de suplente. "Teve empresário na época, de fora de Rondônia, que chegou a oferecer R$ 1,5 milhão para ser meu suplente. Sabiam que eu podia ser governador quatro anos depois." O mandato de senador é de oito anos. Raupp recebeu R$ 31.700 de seu primeiro suplente, Tomás Correia, o que corresponde a 11% das receitas da campanha.

Na Câmara, o sistema é diferente. Se o cargo fica vago, o titular é substituído pelo candidato mais votado da coligação.

Senador eleito no ano passado, Mário Couto (PSDB-PA) teve 26,7% da campanha financiada pelo suplente Demetrius Ribeiro, presidente do conselho administrativo da Usina Siderúrgica de Marabá. Ele doou R$ 350 mil para a campanha.

Reforma política

O sistema de suplência do Senado não está no escopo da reforma política em tramitação na Câmara, mas há propostas de alteração do modelo em discussão no Congresso. O senador Jefferson Péres (PDT-AM) é autor de projeto de lei que está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

Péres propõe que os suplentes tomem posse apenas em casos de licença do titular. Já no caso de vacância por morte, perda de mandato ou renúncia, o novo senador seria escolhido nas eleições federais ou municipais subseqüentes.

"Não se afigura adequado e democrático o suplente de senador ganhar muitos anos de mandato sem o voto popular, circunstância que tem acontecido quando a vaga ocorre logo no início do mandato do titular", afirma Péres na justificativa do projeto.

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) está colhendo assinaturas para a apresentação de proposta de emenda constitucional sobre o assunto. Por essa PEC, os dois suplentes de senador também seriam eleitos de forma direta. Cada partido ou coligação poderia apresentar até três candidatos a suplente.

Outro lado

Com exceção de Wellington Salgado (PMDB-MG), os demais senadores procurados pela Folha negaram que as doações de campanha feitas pelos suplentes tenham influenciado na montagem da chapa eleitoral.

Wellington Salgado (PMDB-MG) afirmou que dois fatores influenciaram na escolha de seu nome como suplente de Hélio Costa, atual ministro das Comunicações. "Um foi a minha presença no Triângulo Mineiro, onde tenho faculdade e um time de basquete, e o segundo é o apoio financeiro, claro", afirmou.

Já Mário Couto (PSDB-PA) informou que Demetrius Ribeiro foi indicado para ser seu suplente por ser um empresário influente na região de Marabá.

Alfredo Nascimento (PR-AM), ex-ministro dos Transportes, afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que, se a doação de R$ 10 mil feita por Aluísio Braga tivesse alguma influência, ele seria o primeiro e não o segundo suplente.

Eleito em 2002, Osmar Dias (PDT-PR) recebeu R$ 117.588 de seu suplente José Carlos Gomes Carvalho, que já faleceu. Dias afirma que ele próprio colocou R$ 108.117 na campanha.

Papaléo Paes (PSDB-AP) diz que tanto Uilton José, segundo suplente, quanto o Sebastião Cristovan, primeiro suplente, são seus amigos. "Escolhi eles, que são de confiança, para não me empurrarem qualquer um."

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) disse que escolheu Tomás Correia para compor a chapa ao Senado por ele ter sido prefeito de Porto Velho e deputado constituinte.

O senador Delcídio Amaral (PT-MS), também eleito em 2002 e que presidiu a CPI dos Correios, tem como suplente Antonio João Rodrigues, dono de rádio, TV e jornal no Estado. "Eu o escolhi porque é um formador de opinião, não foi para bancar minha campanha", diz.

Magno Malta (PR-ES) diz que "Francisco Pereira foi escolhido por ser um amigo que eu sempre respeitei, professar a mesma fé, ser um bom pai de família, ter boa índole e, por deliberação partidária". Chico Pneus, como é conhecido o suplente, foi preso na operação Esfinge da Polícia Federal, no início deste ano, acusado de sonegação fiscal.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) afirmou que o critério para a escolha de seus suplentes foi político.

A campanha do pefelista Paulo Octávio (DF) recebeu R$ 110.152 do suplente Adelmir Santana, que é dono de uma rede de farmácias e presidente da Fecomércio (Federação do Comércio) do Distrito Federal. "Eu o escolhi porque é do PFL e uma pessoa respeitada. Ele não é um superempresário", afirmou Paulo Octávio.

Cícero Lucena (PSDB-PB) afirmou que escolheu seus suplentes por questões partidárias e por terem influência em diferentes regiões de seu Estado.

Raimundo Colombo (PFL-SC) negou que o dinheiro doado tenha contribuído para a indicação de Casildo Maldaner para a vaga de suplente.

Os senadores José Maranhão (PMDB-PB), Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Jonas Pinheiro (PFL-MT) não se manifestaram sobre a composição de suas chapas.

Leia mais
  • "Grupo dos 30" sela aliança com Aldo contra Chinaglia
  • Rachado, PSDB pode antecipar Executiva
  • Volta de Lula ao trabalho começa no Equador
  • Analistas destacam importância de novos documentos dos EUA

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre doações de campanha
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página