Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/03/2012 - 11h23

Documentário dos EUA mostra rotina em palafitas de Salvador

Publicidade

MATHEUS MAGENTA
DE SÃO PAULO

Apaixonada por capoeira, a norte-americana Annie Eastman viu numa oportunidade de trabalho voluntário a chance de deixar Denver (EUA) e morar na Bahia.

Entre 1999 e 2002, ela acabou vivendo em uma palafita (casas de madeira construídas em cima de áreas alagadas) na periferia de Salvador, onde ensinou inglês e aprendeu a falar português.

Dois anos depois, já de volta aos EUA, soube por antigos vizinhos que o governo baiano (com dinheiro do Banco Mundial) daria casas populares a moradores e faria uma revitalização ambiental. Foi quando Eastman teve a ideia de filmar "Da Maré" (2012), documentário exibido agora no festival É Tudo Verdade.

A ideia, no entanto, acabou esbarrando na burocracia e na morosidade estatais.

"Imaginava que o filme seria concluído em dois anos por causa do prazo que eles deram no início. Mas as filmagens duraram seis anos", disse à Folha, por telefone.

O filme retrata a espera pela concretização do projeto a partir da rotina de três mães solteiras e de Norato, eletricista que conserta geladeiras avariadas pelo salitre e serve de narrador.

Apesar do foco nos moradores, o documentário é também um retrato da relação entre população e Estado, com inúmeras reuniões e explicações governamentais sobre a lentidão do projeto. O longa foi realizado graças a doações feitas pela internet.

As filmagens foram realizadas em viagens semestrais. Parte delas aconteceu na carona dos deslocamentos que Eastman fez como tradutora e produtora de "Mataram Irmã Dorothy", de Daniel Jung, sobre a missionária americana assassinada no Pará.

Ela participou também de "Salvando a Face", documentário em curta-metragem sobre paquistanesas com rostos queimados que recebeu o Oscar neste ano.

DA MARÉ
QUANDO hoje, às 18h
ONDE Cinemateca Brasileira
(lgo. Senador Raul Cardoso, 207, tel. 0/xx/11/3512-6111)
QUANTO grátis
CLASSIFICAÇÃO 16 anos

Comentar esta reportagem

Termos e condições

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página