Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/01/2013 - 05h53

Cobertura de Rubem Braga, "o lavrador de Ipanema", mantém projeto original

Publicidade

DO RIO

Ele era "o único lavrador de Ipanema", na definição do amigo Paulo Mendes Campos, e quem visita a cobertura de Rubem Braga na zona sul do Rio logo entende a boutade.

Um jardim suspenso, projetado por Burle Marx, circunda o apartamento de dois pavimentos, no 13º andar de um premiado edifício do arquiteto Sérgio Bernardes, na rua Barão da Torre, "entre uma favela superpovoada (Cantagalo) e uma praça movimentadíssima (Gal. Osório)", como escreveu o cronista.

Cecilia Acioli/Folhapress
Famoso jardim do escritor Rubem Braga em Ipanema, no Rio
Famoso jardim do escritor Rubem Braga em Ipanema, no Rio

A vista da praça e da praia foram perdidas por causa dos altos prédios que surgiram a partir dos anos 1970, mas ainda é possível avistar o mar, as ilhas, a estátua do Cristo Redentor, a lagoa Rodrigo de Freitas, o morro Dois Irmãos.

Também continua lá o banco do jardim, em que o escritor sentava-se de manhã para ler jornal e fazer palavras cruzadas, ao lado da mangueira que compõe o imenso pomar com pitangueira, goiabeira, jabuticabeira, coqueiro e até um raro pé de araçá.

A "cobertura agrária", como Millôr a definia, foi comprada em 1963 e se tornou uma espécie de academia de letras informal: amigos como Jorge Amado, Vinicius de Moraes, Clarice Lispector, Fernando Sabino e tantos outros eram convivas frequentes.

O local dos encontros, regados a uísque, era a larga varanda, que conserva mesinhas de tampo de mármore, típicas de boteco, e cadeiras de madeira, além das redes.

Cecilia Acioli/Folhapress
Famoso jardim do escritor Rubem Braga em Ipanema, no Rio
Famoso jardim do escritor Rubem Braga em Ipanema, no Rio

O interior da casa, com duas salas modestas e três suítes, uma delas de empregada, guarda pouco do velho Braga, que doou muita coisa para os amigos, em vida --livros, obras de arte etc.

Depois de morto, seu filho Roberto --que mora lá com a mulher e o enteado-- passou parte do acervo para a Casa de Rui Barbosa, no Rio, e para a Casa dos Braga, em Cachoeiro de Itapemirim (ES). (MARCO AURÉLIO CANÔNICO)

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página