Protagonista de 'Merlí' utiliza filosofia como 'pau pra toda obra'

Crédito: Reprodução Cena da segunda temporada de "Merlí", série disponível na Netflix
Cena da segunda temporada de "Merlí", série disponível na Netflix

INÁCIO ARAUJO
CRÍTICO DA FOLHA

MERLÍ (muito bom)
segunda temporada, na Netflix

Surpresas acontecem: de repente aparece na Netflix uma série rara, que não trata de serial killers, political killers ou outros killers, é falada em catalão e tem como protagonista um professor de filosofia. Trata-se de "Merlí".

Merlí é um professor de filosofia em um colégio secundário na Catalunha, Espanha. Estamos, portanto, em um seriado no qual se menciona Sócrates, Aristóteles, Foucault e por aí vamos.

Merlí é um sujeito controverso, arruma encrencas e desafetos com facilidade; por isso, vive desempregado. Já no começo do primeiro ano conquista alunos com sua pedagogia pouco ortodoxa. Consegue o que seus colegas não conseguem, isto é, que os alunos não vejam o estudo como uma tortura. Eis enunciado o primeiro ponto da série: a crítica à pedagogia autoritária.

Se seduz alunos, Merlí também encara os problemas deles. Como entendê-los? Como se aproximar deles? Tudo é problema: namoro, o aluno depressivo, o gay da classe (aliás, é seu filho). Merlí os entende, o que cria atritos com outros professores e com os pais dos alunos –o segundo ponto: como criar os filhos? "Merlí" ajuda...

Merlí não seduz apenas os alunos. Logo de cara seduz a professora bonitinha, que por sinal namora outro professor. Não vai parar por aí, veremos.

Com os rolos surge a pergunta: será que Merlí vai perder o emprego? Outro ótimo ponto de venda (o terceiro): a instabilidade no emprego.

Os pais de alunos são de vários tipos: ausentes ou presentes demais, autoritários ou fracos demais, há os estudados e os ignorantes, os casados, viúvos, divorciados, o que for. Em comum, parecem não ter outra pessoa para dialogar que não os professores. Não têm amigos, nada. Só Merlí.

Podemos detectar aí a primeira fraqueza relevante desta série tão original: certa monotonia na abordagem das questões, ainda que os problemas sejam variados.

Talvez sem isso "Merlí" seria a vida escolar de sempre, pois é preciso que ele em pessoa desarme os rolos dos meninos. Sua pedagogia subversiva consiste em tentar ensinar os alunos a pensar por conta própria (no Brasil ele seria queimado como bruxo ou coisa assim). Pensar não o quem mandam os pais, não o que recomenda a TV. Ora, é quando a garotada se põe a pensar por conta própria que começam os rolos. Novo ponto: a série seduz os adolescentes, ao menos os inquietos.

O aspecto que mais ameaça a relação do espectador com a série é que Merlí não é apenas um professor: é um sabe-tudo. A filosofia, em suas mãos, não serve apenas para pensar, mas é uma ferramenta tipo pau pra toda obra.

Isso o aproxima do professor de literatura de "Sociedade dos Poetas Mortos". Logo na abertura da segunda temporada (a volta às aulas), recém-lançada pela Netflix, temos um bom exemplo do tipo de demagogia a que isso leva: Merlí passa correndo por um corredor no qual alunos o cumprimentam como se costuma fazer com jogadores de basquete da NBA. Não é boa coisa tamanha proximidade entre mestres e discípulos –dramaticamente, claro.

"Merlí" não escapará à mesma sorte de todas as séries (com exceção de "Twin Peaks"): apesar do protagonista bem construído, das tramas armadas decentemente, elas interessam essencialmente pelas ideias centrais, por uma evolução adequada.

Qualquer profundidade, se houver, deve vir do desenvolvimento, capítulo após capitulo. Sua natureza é analítica, não sintética (como nos filmes). A direção é funcional, impessoal. Por tudo isso, elas são fáceis de ver, mas costuma ser uma tediosa tortura.

Pesa a favor a boa construção do protagonista, seu caráter simpaticamente subversivo (na nova temporada Merlí atacará políticos e a situação dos colégios públicos) e uma direção que lida bem com jovens atores. Pesa contra o tom novelesco de algumas cenas.

Nessa série que já tem 40 episódios filmados é obrigatório mencionar a perfeição da escolha de Francesc Orella como Merlí. Um ótimo ator, em que até o porte físico colabora para dar corpo ao personagem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.