Filme sobre Edir Macedo se torna a maior bilheteria do cinema brasileiro

Como 'Os Dez Mandamentos', filme tem bilheterias infladas e estratégia massiva de divulgação

Tiago Dias
São Paulo

​​Edir Macedo conseguiu milagre maior e desbancou o próprio Moisés na disputa para se tornar recordista do cinema nacional.

Cinebiografia do bispo fundador da igreja Universal, “Nada a Perder” é, desde sexta-feira (4), o filme de maior bilheteria nacional de todos os tempos, com 11.285.248 ingressos vendidos, segundo a ComScore, empresa que monitora as bilheterias.

Assim, o braço cinematográfico da Record —e consequentemente da igreja— bateu o próprio recorde. Em 2016, a versão da novela bíblica “Os Dez Mandamentos” fez história e ultrapassou o líder “Tropa de Elite 2” com 11.183.219 de ingressos vendidos.

A glória não foi conquistada sem polêmica. O blockbuster estreou com lugares vazios em salas tidas como lotadas.

A dobradinha no topo da lista era a grande meta da Record, que não se privou de usar uma verdadeira estratégia de guerra para alcançar o paraíso dos filmes brasileiros assistidos da história, onde moram desde clássicos como “Dona Flor e Seus Dois Maridos” (1976) a comédias como “Minha Mãe é Uma Peça 2” (2016).

A campanha envolveu não apenas o braço jornalístico da Record como toda a programação da emissora, que dispensou seu elenco para falar sobre o filme. O resultado foi uma produção que já somava 4 milhões de ingressos vendidos antes mesmo de sua estreia.

O UOL apurou que membros da igreja têm anunciado distribuição de bilhetes com direito a transporte gratuito até a sala de cinema, levantando a suspeita de que membros da Universal estavam comprando ingressos de uma sala inteira para distribuição, o que sempre foi desmentido pela igreja.

Semanas antes da estreia, a Universal divulgou um texto alertando seus fiéis de que a mídia usaria de "fake news" para prejudicar o lançamento do filme.

O comunicado diz: “A mídia, os produtores e promotores destas fake news tentarão, de todas as formas, espalhar que o êxito do filme foi manipulado, que os ingressos teriam sido comprados pela Universal e distribuídos aos fiéis. É mentira! O que existe é a mobilização espontânea de grupos e de membros da Universal, que se organizaram para que o maior número de pessoas tenha chance de assistir ao filme."

Assim como seu antecessor, nem todas as salas “esgotadas” de “Nada a Perder” encheram completamente.

Expansão internacional A estratégia deve se repetir, salvo as devidas proporções, no mercado internacional. Presente em mais de cem países, a igreja aposta em uma distribuição sem precedente.

Na semana passada, os países da América Central receberam o filme e há grande expectativa para a estreia da cinebiografia nos Estados Unidos na sexta-feira (11).

Na semana seguinte, é a vez do Reino Unido e, ainda esse mês, o longa estreia em Trinidad & Tobago, Antigua, Santa Lucia, Aruba, Curaçao, St. Croix, Guyana, República Dominicana e Porto Rico.

A expansão internacional da igreja será abordada na sequência do filme. Sim, “Nada a Perder” terá sua “Parte 2” com estreia prevista para abril de 2019 e a mesma meta de bater o recorde do recorde.

Os dez filmes com maior bilheteria do cinema nacional

Braço cinematográfico da Igreja Universal bate o próprio recorde em meio a acusações de lotações forjadas

  1. "Nada a Perder" (2018)

    Alexandre Avancini dirige a cinebiografia do bispo Edir Macedo

  2. "Os Dez Mandamentos - O Filme" (2016)

    Também com direção de Alexandre Avancini, conta a história de Moisés

  3. "Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro" (2010)

    Sequência de José Padilha para a trama sobre um capitão do Bope

  4. "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976)

    Bruno Barreto dirigiu a narrativa de Jorge Amado que virou clássico do cinema nacional e inspirou releituras

  5. "Minha Mãe É Uma Peça 2" (2016)

    César Rodrigues dirigiu Paulo Gustavo nessa comédia que dá sequência à história de Dona Hermínia, uma mãe super protetora

  6. "A Dama do Lotação" (1978)

    Neville d'Almeida dirigiu o filme baseado em trama de Nelson Rodrigues, com Sônia Braga no papel principal

  7. "Se Eu Fosse Você 2" (2009)

    Com direção de Daniel Filho, opõe Gloria Pires e Tony Ramos em comédia sob o mote clássico da troca de papeis

  8. "O Trapalhão nas Minas do Rei Salomão" (1977)

    J. B. Tanko dirigiu o filme, o mais bem-sucedido dos muitos "hits" d'Os Trapalhões no cinema

  9. "Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia" (1977)

    Sob direção de Hector Babenco e baseado em livro de José Louzeiro, drama com Reginaldo Faria tornou-se aclamado

  10. "2 Filhos de Francisco" (2005)

    Breno Silveira dirige a cinebiografia de Zezé di Camargo e Luciano, que formam uma das duplas sertanejas mais famosas da história

UOL

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.