'Luhli me fez enxergar o cantor que havia dentro de mim', afirma Ney Matogrosso

Cantora e multi-instrumentista da dupla Luli e Lucina morreu quarta (26), aos 73 anos

A cantora Luhli, à esquerda, toca tambores com a parceira Lucina  - Divulgação
Ney Matogrosso
São Paulo

Morta nesta quarta (26), aos 73 anos, a cantora e multi-instrumentista Luhli, da dupla Luli e Lucina, foi essencial para impulsionar a carreira de Ney Matogrosso. No depoimento a seguir, o cantor fala da parceria e de como ela ajudou na fundação do grupo Secos & Molhados.

 

Conheci Luhli quando eu ainda morava em Brasília, na década de 1960. Ela era noiva do fotógrafo Luiz Fernando.

Quando cheguei, fiquei muito próximo dela, e o Luiz tinha ciúmes. Mas aí depois ele viu que não era nada disso, e então acabei ficando amigo do casal também.

Depois que chegou a Lucina, continuamos amigos. As pessoas da época se afastaram do triângulo amoroso [entre as duas instrumentistas e o fotógrafo], mas permaneci fiel àquela amizade.

O primeiro encontro foi por uma amiga em comum, a cantora Lena. Uma vez, vim ao Rio de férias trazer uma encomenda dela para Luhli. Desde então não nos separamos. Ela morava em Santa Teresa naquela época.

Foi o meu tempo de artesão, e eu fazia meus trabalhos no quintal dela porque era de terra batida. Como eu utilizava muitos vernizes, tintas e afins, podia usar o espaço e me sujar à vontade.

Eu ficava lá trabalhando enquanto ela dava aulas de violão. Quando faltava algum aluno, ela me chamava e me colocava para cantar. Isso tudo porque ela acreditava piamente que eu era cantor.

Eu dizia que não era, e ela insistia. Aí ela decretou que eu era cantor, e me apresentou ao João Ricardo [parceiro no Secos & Molhados].

Na época, o João havia comentado que precisava de um homem com voz aguda para cantar em um conjunto. Eles não achavam esse homem de jeito nenhum. Aí ela disse que conhecia e que, no caso, era eu. Então fui ao Rio conhecer o João Ricardo e começou, assim, minha história com o Secos & Molhados.

Ela praticamente ajudou a fundar a banda porque, antes de eu ir para lá, ela já tinha composto "O Vira" e "Fala" com o João.

Nos últimos dias, o nosso contato era limitado porque ela tinha se mudado para Lumiar, um distrito de Nova Friburgo. Mas todas as vezes que ela estava na cidade nos falávamos. Nossas conversas sempre duravam horas.

A Luhli era uma pessoa maravilhosa e incrível porque acreditava no invisível tanto quanto eu. Quando estávamos falando sobre essas coisas, as pessoas normalmente achavam que éramos loucos.

Ela nunca abriu mão do que acreditava, e enfrentou uma família de conservadores por acreditar nos seus sonhos. No primeiro disco que ela gravou, não queriam que ela aparecesse na televisão cantando as músicas.

Nunca vou me esquecer dela. Ela me vez ver o cantor que havia dentro de mim.


Ney Matogrosso é cantor e fundador dos Secos e Molhados, um dos grupos musicais mais importantes do Brasil na década de 1970.

Depoimento a João Paulo Martins

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.