Descrição de chapéu Livros

Após escândalo que cancelou o Nobel de Literatura, Academia Sueca elege dois novos membros

Iraniana Jila Mossaed e sueco Eric Runesson foram escolhidos; Academia estava inativa desde maio após caso de abuso sexual

Estocolmo | AFP e Reuters

 A Academia Sueca, que concede o Prêmio Nobel da Literatura, anunciou nesta sexta-feira (5) a eleição de dois novos membros. 

Jila Mossaed, 70, poetisa nascida em Teerã, que escreve em sueco e persa, foi escolhida juntamente com Eric Runesson, 58, juiz da Suprema Corte sueca para comporem o quórum de 12 membros necessários para que a Academia volte a funcionar. 

A instituição estava inativa desde maio deste ano, quando 18 membros pediram demissão após a revelação de escândalos sexuais envolvendo o marido de Katarina Frostenson, membro da Academia. Ela foi afastada.

Jean-Claude Arnault foi condenado na última segunda-feira (1º) a dois anos de prisão por estupro e crimes financeiros.

Quando o escândalo veio à tona, a Academia anunciou que cancelaria o Nobel de Literatura, tradicionalmente entregue na primeira quinta-feira de outubro desde 1949. A cerimônia de 2019 também corre o risco de ser cancelada.

Além dos membros demitidos, outros abandonaram suas atividades na Academia, como a secretária permanente Sara Danius.

"Percorremos boa parte do caminho para restaurar a confiança [na Academia]. As coisas parecem diferentes agora", assegurou Anders Olsson, secretário interino.

O rei Carl 16º Gustaf da Suécia, padrinho da instituição, anunciou em maio uma modificação no estatuto da Academia: os membros eleitos, inicialmente de forma perpétua, passaram a ter direito a renunciarem e serem substituídos.

"A eleição de dois novos membros é positiva. Espero que a Academia Sueca consiga restaurar a confiança na instituição e possa continuar o seu trabalho", declarou Carl 16º Gustaf, em comunicado.

Jila Mossaed substitui o escritor Kerstin Ekman, que se afastou da Academia em 1989, depois que a instituição se recusou a condenar uma ameaça feita pelo regime iraniano contra o escritor britânico Salman Rushdie por seu romance "Os Versos Satânicos".

"Meus escritos não foram reconhecidos no meu país de origem, e agora a minha nova nação me oferece uma das melhores oportunidades literárias. Sou grata a eles", disse Jila Mossaed, que vive exilada na Suécia desde 1986.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.