Descrição de chapéu Eleições 2018

Para ministro Sérgio Sá Leitão, política cultural não depende do MinC

Futuro secretário de Cultura no governo de SP, ele defende a manutenção da pasta estadual

Bruno Molinero
São Paulo

Bastava Língua de Trapo, Premeditando o Breque ou Arrigo Barnabé anunciar um show em São Paulo que o adolescente Sérgio Sá Leitão já se preparava para arrumar a mochila com uma muda de roupa e zarpar rumo à rodoviária do Rio.

Os anos 1980 corriam soltos, lado a lado com o ônibus que transportava os passageiros rumo à capital paulista. 

Cerca de 450 km e quase seis horas depois, seu fim de semana tinha endereço certo: a plateia do Lira Paulistana, mistura de teatro e centro cultural que entrou para a história da cidade por concentrar apresentações da chamada Vanguarda Paulista --que contava ainda com Ná Ozzetti, Tetê Espíndola e outros nomes.

A viagem iria se repetir diversas outras vezes naquela década. Agora, mais de 30 anos depois, o carioca está de novo com as malas prontas para São Paulo. 

O ministro e futuro secretário da Cultura de São Paulo, Sérgio Sá Leitão
O ministro e futuro secretário da Cultura de São Paulo, Sérgio Sá Leitão - Pedro Ladeira-26.jul.2017/Folhapress

Atual ministro da Cultura do governo de Michel Temer, no cargo desde julho de 2017, Leitão foi anunciado em novembro pelo governador eleito João Doria (PSDB) como o futuro secretário de Cultura e Economia Criativa do estado. 

Nomeação que faz parte de uma estratégia que visa dar verniz ministerial para o time de secretários. Além dele, já há pelo menos mais quatro ministros de Temer confirmados como chefes de pastas paulistas a partir de janeiro. 

"O trabalho já começou. Pedi para fazerem um levantamento dos 'stakeholders' da cultura no estado. Quero conhecer segmentos, instituições, associações, patrocinadores. E estabelecer um diálogo com todos", diz.

Assim como Doria, o futuro secretário costuma se apoiar em jargões do mundo dos negócios e em termos que circulam nas bocas de mentores de startups para falar de trabalho, avaliar a gestão à frente do MinC (Ministério da Cultura) e projetar as ações na secretaria de Doria.

"Sobre a Rouanet, precisamos dar ênfase à busca de resultados e às externalidades econômicas positivas. Mas é o maior programa de democratização de acesso à cultura no mundo. Desde o início, foram distribuídos gratuitamente 3,3 bilhões de ingressos", afirma, sobre as controvérsias que envolveram a lei recentemente. 

As queixas envolvendo a Rouanet ganharam força sobretudo com a eleição de Jair Bolsonaro à Presidência, já que muitos grupos que apoiaram a sua campanha defendem a revogação do dispositivo. "Passamos por um processo eleitoral duro. Há muita retórica", relativiza.

Para Leitão, as críticas à lei se baseiam em problemas já resolvidos ou em ausência de conhecimento. Como resposta, o MinC publicará na próxima semana resultados de uma pesquisa sobre o impacto econômico da política cultural. Dados preliminares foram entregues ao governo de transição

"Tem sido uma revelação para os nossos interlocutores. De modo geral, investimentos públicos em cultura retornam, na forma de arrecadação de impostos, mais do que foi aportado."

Outro estudo feito pelo MinC entregue à equipe de transição de Bolsonaro foi um levantamento com 50 países, indicando quais mantêm em seus governos um ministério exclusivo para a cultura.

A pasta não divulga as nações analisadas, mas a conclusão é que apenas 15% delas contam com a pasta. "'Benchmarks' [referências] como Reino Unido e França não têm um ministério. São outros arranjos. O importante é saber a relevância que o governo dará à política cultural", defende. 

No fim de novembro, o presidente eleito anunciou o fim do MinC e a criação do Ministério da Cidadania, que vai abrigar Cultura, Desenvolvimento Social e Esportes. Escolhido para chefiá-la, o deputado Osmar Terra (MDB-RS) afirmou à Folha que pouco conhece da área cultural. "Só toco berimbau."

Na avaliação de Leitão, a maneira como o próximo governo vê o MinC também estaria relacionada a uma suposta instrumentalização partidária das políticas nos governos anteriores. "Era uma pasta ineficiente, que falava muito e fazia pouco." 

O ministro declarou em outubro estar de "saco cheio" de manifestações políticas em shows, irritado à época com a turnê de Roger Waters pelo país.

Nesta semana, secretários de cultura de 17 estados e do Distrito Federal publicaram uma carta em que pedem a volta do MinC como "órgão próprio e exclusivo". 

"Viva a democracia, né? Porque, em vários desses estados, não existe uma secretaria exclusiva", comenta Leitão.

O que, na opinião do futuro secretário paulista, não poderia ocorrer em São Paulo. "Precisamos [de uma Secretaria de Cultura] pela dimensão da economia criativa, que responde por 3,9% do PIB estadual. O impacto é alto na geração de emprego, valor agregado e arrecadação de impostos."

Por isso, a partir de janeiro, a pasta vai ganhar um sobrenome e passará a se chamar Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

O que não deve mudar, contudo, é o modelo de gestão cultural no estado. Leitão ainda não ainda tem respostas para demandas imediatas --como a ampliação da Pinacoteca, a troca do regente da Osesp, a nova sede do Paço das Artes ou o andamento da reforma do Museu da Língua Portuguesa, que pegou fogo em 2015, por exemplo.

Mas grande parte das iniciativas devem continuar a ser conduzidas por Organizações Sociais, modelo no qual instituições ficam responsáveis pela gestão e administração dos bens. 

"Acredito que as OS vêm desempenhando um bom trabalho. A Secretaria é que não vem fazendo a sua parte, que é estabelecer diretrizes e mensurar o cumprimento das metas."

Quando o assunto é o 'budget' que vai ter, para utilizar outro dos termos da moda, Leitão diz não acreditar que João Doria repetirá no governo o que fez na prefeitura, em 2017, quando congelou 43,5% do orçamento da pasta municipal.

Para 2019, a proposta orçamentária estadual ainda está sendo discutida na Assembleia Legislativa, mas deve girar em torno de R$ 229 bilhões, no total.

Em caso de um cenário com restrições de verbas, ele tira do bolso o último ensinamento dos administradores de empresas. 

"Minha experiência mostrou que sempre é possível, com gestão e planejamento, maximizar resultados e fazer mais com menos."

 

Pedro Ladeira/Folhapress

Sérgio Sá Leitão, 51

Formado em jornalismo na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), é o atual ministro da Cultura e futuro secretário da Cultura e da Economia Criativa de São Paulo. Antes, foi secretário municipal de Cultura do Rio e diretor da Ancine

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.