Descrição de chapéu

Arquiteto da pirâmide do Louvre soube criar joias com a geometria

Morto na semana passada, I. M. Pei agradou sem nunca se render a modismos

Francesco Perrota-Bosch

Não é sempre que se recebe a ampliação do Louvre como encomenda. Mais que um aumento, era necessária uma profunda reorganização dos acessos e da circulação do museu que no início dos anos 1980 dava sensação caótica e de certo enfado ao público.

A instituição parisiense guarda e apresenta mais que uma miríade de obras-primas, mas não nos esqueçamos de que ela ocupa um colossal palácio, um edifício com séculos de existência que não foi concebido para ser museu, mas para abrigar uma corte.

E coube ao chinês Ieoh Ming Pei intervir na construção que encarna o clímax da cultura ocidental. O arquiteto, morto na semana passada, estudou e desenvolveu toda a sua carreira nos Estados Unidos.

A escolha de um não francês já detonaria polêmicas no país, porém nada bate o desafio de pensar algo para um lugar que milhares de arquitetos e críticos de todo o mundo têm uma opinião a dar a respeito. O que fosse feito passaria por um escrutínio global.

I. M. Pei, como ficou conhecido, apostou alto e propôs um novo ícone para a capital francesa já bem sortida de ícones —o projeto do Louvre parte de uma pirâmide de vidro.

Ele convoca uma tipologia arquitetônica de milênios de existência e aplica nela a tecnologia e os materiais de sua época —uma estrutura com múltiplas hastes metálicas muito delgadas que conformam uma volumetria recoberta por transparentes e leves peças de vidro. O uso do material, aliás, marcou seus projetos anteriores, entre eles a Biblioteca Presidencial de John F. Kennedy, em Boston.

Em Paris, Pei fez uma joia delicada com um simples sólido geométrico. Há o caráter simbólico de criar uma preciosidade reconhecida tanto por críticos quanto pelo público.

O êxito do arquiteto é também notável em termos operacionais. Seu projeto ocupa, em grande medida, o pátio frontal do Louvre diante do jardim das Tulherias e ponto inicial do grande eixo parisiense que dará na Champs-Élysées e no Arco do Triunfo.

Antes da intervenção, esse pátio era ocupado como um estacionamento do museu, o que transformava de início a visita numa experiência labiríntica e confusa. O Louvre é um imenso palácio composto por diversas alas com muitas salas sem saída e de retorno obrigatório. Para além de gerar um confortável acesso contemporâneo de sofisticado acabamento, I. M. Pei liga o núcleo do museu à circulação dos diferentes lados.

A solução funcional ganhou ampla simpatia com o passar dos anos. Após a inauguração deste Louvre renovado em março de 1989, o sino-americano recebeu o título de oficial da Ordem Nacional da Legião da Honra da França em 1993, do presidente François Mitterrand.

Pirâmide do Louvre, construída por I.M. Pei
Pirâmide do Louvre, construída por I.M. Pei - Lionel/Bonaventure/AFP

I. M. Pei faz parte de um peculiar grupo de grandes arquitetos que ao analisarmos detidamente seu principal projeto conseguimos verificar as qualidades presentes em todo o seu conjunto de obras. A descrição das virtudes de sua intervenção no Louvre é visivelmente aplicável aos projetos da ala leste da National Gallery, obra de 1978 em Washington, e do Museu e Hall da Fama do Rock’n’Roll, realizado em 1995 em Cleveland.

Sem se deixar cair em modismos pós-modernos nas décadas de 1970 e 1980, Pei se manteve próximos dos princípios dos mestres modernos Walter Gropius e Marcel Breuer, com quem teve aulas nos Estados Unidos.

Desde a abertura de seu escritório em 1955, o arquiteto esteve sempre atento ao emprego da tecnologia de ponta da época, o que se vê nas várias torres de vidro que projetou na carreira. Foi, assim, um arquiteto requisitado tanto em encomendas governamentais para edifícios públicos quanto pelo mercado imobiliário.

Recebeu a maioria das principais láureas que um arquiteto pode ganhar, como o prêmio Pritzker, em 1983, e a medalha de ouro do Riba, o Instituto Real de Arquitetos Britânicos, em 2010.

Seu canto do cisne foi o Museu de Arte Islâmica, em Doha. Já projetado em coautoria com seus filhos, Chien Chung Pei e Li Chung Pei, o edifício é fruto da apropriação e do empilhamento de formas do islã. A síntese obtida no Louvre foi perdida, mas as referências simbólicas foram multiplicadas ali.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.