Descrição de chapéu Cinema

Diretor de gângsteres, Guy Ritchie mostra lado família em 'Aladdin'

Britânico, autor de filmes que exalam testosterona, ficou surpreso com convite da Disney

Rodrigo Salem
Los Angeles

Guy Ritchie é conhecido por filmes de gângsteres trogloditas, como “Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes” e “Snatch: Porcos e Diamantes”. Suas versões modernizadas de “Sherlock Holmes” e o recente “Rei Arthur”, de 2017, exalam testosterona e brutalidade.

O fato de o britânico assumir o comando da adaptação com atores de “Aladdin”, uma das clássicas animações musicais da Disney, foi um choque não apenas para os fãs, mas até para o diretor do filme, que estreia nesta quinta (23).

“Foi uma surpresa”, conta um Ritchie sincero em entrevista à Folha. “Mas não estou em território desconhecido, pois tenho cinco filhos e é o tipo de filme que vejo quando vou ao cinema com a família.”

Ritchie diz que a chance de fazer um longa-metragem que pode ser visto por seus filhos foi a principal razão de aceitar o convite. O mais velho, Rocco, com a cantora Madonna, tem 18 anos, enquanto o mais novo, Levi, com a modelo Jacqui Ainsley, está com cinco.

Mas ele logo encontrou os primeiros problemas. A escalação de Will Smith para fazer o papel do Gênio, que foi dublado por Robin Williams na versão animada, rendeu o primeiro desafio à produção. 
Quando a Disney lançou o segundo trailer de “Aladdin”, em fevereiro, o personagem azul aparece por alguns segundos, porém foi o bastante para virar uma piada online.

“Fiquei assustado por um momento”, relembra Ritchie. “O trailer mostrou apenas o suficiente de Will para irritar as pessoas. Eu tinha um ponto de vista diferente sobre o quanto deveríamos revelar naquele trailer, mas fui voto vencido. Se tivéssemos mostrado um pouco mais do Gênio, os fãs teriam ficado satisfeitos.”
A comoção diminuiu nos últimos meses e, depois que o filme estrear, é bem possível que muitos se arrependam de terem julgado a decisão.

Will Smith, depois de uma estranheza inicial, brilha cantando, dançando e fazendo piadas. “Incêndios podem se alastrar a partir das redes sociais”, afirma o diretor. “Mas acho que conseguimos superar esse desafio.”

O ator Will Smith (esq.) e o diretor Guy Ritchie em exibição de "Aladdin" em Los Angeles
O ator Will Smith (esq.) e o diretor Guy Ritchie em exibição de "Aladdin" em Los Angeles - Mario Anzuoni/Reuters

Will Smith diz que não deixou a repercussão negativa atrapalhar seu trabalho e que descobriu o tom do personagem brincando com uma versão hip-hop da canção “Friend Like Me”. “Eu me identifico com o Gênio, porque ele está algemado, apesar dos seus poderes. Eu também tinha a sensação de estar acorrentado. Nos últimos dois anos, comecei a encontrar a minha liberdade e a me sentir confortável comigo mesmo”, filosofou o astro em entrevista para imprensa mundial.

Já a evolução de “Aladdin” em relação ao desenho de 1992 passa pelas músicas, uma missão ingrata já que o filme levou na época o Oscar de melhor canção por “A Whole New World” (“Um Mundo Ideal”, em português) e melhor trilha sonora. A nova versão do longa traz as canções originais e duas músicas inéditas, com letras do duo Benj Pasek e Justin Paul, de “La La Land”.

A principal é “Speechless”, cantada pela atriz inglesa Naomi Scott, que interpreta Jasmine. A canção reflete uma motivação mais moderna para a personagem, que agora deseja ser uma sultana e não aceita casamentos arranjados.

“Aladdin tinha muitos desafios, mas a princesa, não. Todos nós sabíamos que a personagem precisava de desenvolvimento”, recorda o diretor, que afirma ter se emocionado quando assistiu ao filme pronto pela primeira vez. “Chorei e ri junto com todo mundo no cinema. Foi uma surpresa para mim também.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.