Descrição de chapéu Cinema

Em Cannes, Kleber Mendonça diz que país vive desmoronamento da cultura

Apesar de discurso crítico, diretor não fez protesto político como em 2016

Os diretores Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles no Festival de Cannes
Os diretores Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles no Festival de Cannes - Loic Venance/AFP
Cannes (França) e São Paulo

Após terem chorado no fim da sessão de “Bacurau” durante o Festival de Cannes, nesta quarta (15), os diretores Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles afirmaram que a emoção foi provocada por exibirem o longa enquanto as artes no Brasil sofrem um “desmoronamento”.

“Foi incrível mostrar esse filme num momento em que estão tentando esconder a cultura”, afirmou Kleber em conversa com os jornalistas no dia seguinte à estreia.

Ele ainda mencionou os protestos em várias cidades brasileiras contra o congelamento de gastos na educação, que aconteceram de forma concomitante à projeção do longa em Cannes. “Apoiamos de forma integral”, disse. “É importante numa democracia expressar a infelicidade.”

“Não podemos perder de vista o que educação significa. É o que significa resistência dentro de um sistema estranho no qual não se acredita.”

Ao seu lado, Dornelles completou. “Tanto nós aqui em Cannes quanto eles lá no Brasil estamos fazendo a nossa parte para que não destruam o que foi conquistado.”

O longa produzido pela dupla, “Bacurau” colheu críticas que foram majoritariamente elogiosas entre a imprensa. É uma distopia que imagina um Brasil num futuro próximo tomado por uma escalada de violência e por uma cisão muito evidente entre norte e sul.

O título do filme dá nome à cidade onde o enredo se passa, um lugarejo no meio do sertão, na região oeste de Pernambuco, assolado por invasões estrangeiros comandados por um alemão vivido por Udo Kier e apoiados por dois sudestinos entreguistas.

A resposta que se segue aos assédios dos invasores é um banho de sangue que tem referência nos filmes de faroeste e faz ode ao cangaço, personificado na figura do transgênero Lunga (Silvero Pereira) e tratado na trama como um manifesto cultural contra o imperialismo estrangeiro.

Sobretudo entre os jornalistas estrangeiros, houve curiosidade se a história era uma resposta à ascensão de Bolsonaro e ao apoio a políticas de armamento da população. Os diretores responderam que a história vinha sendo escrita bem antes, em 2009. “Mas de repente a realidade alcançou o roteiro”, disse Kleber.

Entre os detalhes mais evidentes que citam os últimos acontecimentos políticos no filme estão no fato de que os cineastas deram os nomes de Marielle e de Marisa Letícia a algumas das personagens.

Essa é a segunda vez que Kleber compete pela Palma de Ouro. A primeira vez, em 2016, foi com “Aquarius”, que ficou conhecido por ter sido exibido após um protesto anti-impeachment encampado pela equipe do filme no tapete vermelho.

“Seguramos cartazes para fazer um alerta”, disse Dornelles, que foi diretor de arte daquele filme e participou do ato. “Dessa vez fizemos um filme que diz muita coisa sobre o nosso país.”

Kleber ainda respondeu sobre o processo que sua produtora responde no país, relativo ao financiamento de “O Som ao Redor” (2012). O Ministério da Cidadania, que substituiu o Ministério da Cultura, cobra que sejam devolvidos R$ 2,2 milhões porque acusa o diretor de ter feito uso irregular de um edital de baixo orçamento.

“É algo sem precedentes no cinema brasileiro”, comentou o cineasta. “Estamos lidando com essa situação. Esperamos reverter isso porque essa acusação não faz sentido.”

O alemão Kier brincou que nunca havia pisado no Brasil antes de fazer o filme. “Imaginava que fosse encontrar só gente bonita, bebidas, Carnaval, mas em vez disso me botaram num carro e me levaram numa longa viagem.”

O jornalista se hospeda a convite do Festival de Cannes

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.