Ex-guitarrista processa Capital Inicial por direitos de 'Acústico MTV'

'Estavam me roubando há muito tempo e na cara dura', diz Loro Jones

Lucas Brêda
São Paulo

Ex-guitarrista do Capital Inicial, Loro Jones entrou na Justiça contra os ex-companheiros de banda. O motivo é a cobrança de direitos que ele supostamente deveria ter recebido desde que saiu do grupo, no começo de 2002.

O baixista Flávio Lemos, o baterista Fê Lemos, o guitarrista Loro Jones e o vocalista Dinho Ouro Preto, que formavam a banda Capital Inicial na gravação do 'Acústico MTV'
O baixista Flávio Lemos, o baterista Fê Lemos, o guitarrista Loro Jones e o vocalista Dinho Ouro Preto, que formavam a banda Capital Inicial na gravação do 'Acústico MTV' - Divulgação

Jones alega que, entre outras coisas, não recebeu os royalties relativos ao álbum “Acústico MTV”, gravado em 2000, que é um dos mais vendidos da lucrativa série da emissora de TV —além de um dos discos de maior sucesso da própria banda.

“Nunca ia imaginar que gente que eu considerava como irmão, família, ia fazer isso comigo”, diz o guitarrista. “Estavam me roubando há muito tempo e na cara dura.”

Jones soube da situação em fevereiro deste ano, por aviso do ex-empresário da banda, Haroldo Tzirulnik, atualmente desafeto do vocalista Dinho Ouro Preto. Em 2001, Tzirulnik fez parte da criação de uma empresa com os integrantes do Capital Inicial, excluindo Jones.

Segundo o advogado do guitarrista, Ramon Ramos, “houve uma violação dos contratos fonográficos e transferiram os direitos para uma empresa de controle do Dinho, do Fê [Lemos, baterista] e do Flávio [Lemos, baixista], a D.F.F.H.”

O nome da empresa traz as iniciais de cada um dos integrantes —sem Jones— e também do antigo empresário.

O guitarrista havia participado do contrato do grupo com a Abril Music, que faliu em 2003 e teve o catálogo incorporado pela Sony Music. Um contrato posterior, já com a Sony, foi feito pela nova empresa e não incluiu Jones.

O guitarrista Loro Jones (à esq.) e o vocalista Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, durante show em dezembro de 1987
O guitarrista Loro Jones (à esq.) e o vocalista Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, durante show em dezembro de 1987 - Homero Sergio/Folhapress

Além do Capital Inicial, a gravadora também está envolvida no processo, tendo oferecido R$ 89 mil para fechar um acordo, segundo Ramos.

“A Sony prestou contas do ‘Acústico MTV’ entre 2004 e 2014”, diz o advogado sobre o álbum, lançado em 2000. “Mas, entre 2001 e 2004, foi o período que o disco mais vendeu.”

Procurados, tanto a Sony como a banda Capital Inicial informaram que não vão se pronunciar sobre o caso.

Além do “Acústico MTV”, Loro Jones, que foi um dos fundadores do grupo, nos anos 1980, também cobra direitos relativos à distribuição de música por streaming.

Segundo Ramos, o advogado, não é possível estimar quanto o guitarrista deixou de receber nos últimos anos sem acesso aos relatórios da Sony.

“Não percebi nada, foi uma coisa armada”, acredita o ex-guitarrista do grupo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.