Descrição de chapéu

Já não se faz conservador como antigamente

Que tipo de conservador remixa o hino?

Gregorio Duvivier

Estávamos esperando Glenn Greenwald para um debate em cima do barco da Flipei. Quem acha que a Flip é de esquerda deve achar que o barco das editoras independentes é o encouraçado Potemkin.

Todo ano o exército revoltoso atraca à margem esquerda do rio e reúne milhares de espectadores sentados na grama ou deitados uns sobre os outros —parece o campus de uma universidade federal, ou pelo menos aquilo que o Bolsonaro imagina que um campus seja.

Enquanto isso, do outro lado do rio, duas dúzias de manifestantes, ao que parece não mais que isso, agitavam bandeiras amarelas com o número 17. Furiosos com a presença do jornalista americano, os supostos moradores de Paraty gritavam coisas como “o Lula tá preso”, e até aí fica difícil discordar. “A democracia é uma delícia”, diria Ciro Gomes. 

Até que os amarelos lançaram mão de duas armas caras ao movimento: a poderosa aparelhagem sonora e um repertório musical heterogêneo. Começaram com a música “Que País é Esse?” do Legião Urbana e passaram para aquele jingle da Fiat cantado pelo Rappa.

Independentemente do espectro político, não dá para confiar numa manifestação cujo hino é um comercial de carro. Para coroar, tocaram "Pavão Misterioso", do Ednardo —fica patente, aliás, a falta de artistas do lado de lá. Não existe nenhuma música de direita, que não precise ser roubada da esquerda ou da Fiat? Claro que existe. Roger, por exemplo, tem clássicos como “Mary Lu Soltava Ovo pela Cloaca” e “A Gente Somos Inútel”, ambas estranhamente apropriadas. 

Glenn chegou de barco, sob a ovação do lado de cá e os rojões do lado de lá. Por sorte não usaram nenhuma arma mais letal. Da minha parte tinha muito medo que lançassem mão de alguma coreografia. Tenho fraco por grupos coreografados e talvez me juntasse a eles caso começassem a Macarena do impeachment. 

Sabrina Fernandes tentou começar o debate quando tocaram o hino do Brasil —remixado no estilo melhores da Pan. Já não era possível continuar cantando, mas apenas lamentar: que tipo de conservador remixa o hino? Já não se fazem conservadores como antigamente, lamentou um conservador dentro de mim. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.