Descrição de chapéu Flip

Com 'airbnbíndio', indígenas de Paraty recebem parentes de outras etnias durante a Flip

Guaranis recebem pataxós, kariri xocós e tabajaras de todo o país durante festa literária

Thiago Amâncio
PARATY (RJ)

Sentada em um degrau em frente à Igreja de Nossa Senhora e São Benedito, construída há 294 anos, em Paraty, a índia pataxó Tamikuã, 51, mostrava a arte de seu povo aos turistas de diferentes sotaques que se interessavam pelos cocares (R$ 250) e colares (a partir de R$ 30).

Seu sotaque também era diferente: Tamikuã vem do sul da Bahia, da aldeia de Barra Velha —na região onde fica o monte Pascoal, primeira mirada dos portugueses que chegaram ao Brasil. Para chegar à cidade colonial, a índia pegou carona com Kayrra, 44, cacique dos kariri xocó, que vivem às margens do rio São Francisco, em Alagoas. Também vieram os tabajara, do Ceará.

“Vim menos para vender nosso artesanato e mais para mostrar a cultura do nosso povo, mostrar que estamos vivos, que nossa língua existe”, diz ela, cocar verde e azul na cabeça (penas de papagaio e arara), pintada de vermelho (urucum) e preto (jenipapo) —motivos mais comportados, diz, porque é casada; as solteiras ousam mais.

Tamikuã está hospedada com os pataxó do Rio de Janeiro. Há dois dias, estava em uma aldeia guarani em Ubatuba.

Numa espécie de “AirBnbíndio”, aldeias do litoral fluminense recebem e abrigam etnias de todo o país, a quem chamam de “parentes”. O intercâmbio entre diferentes aldeias é prática comum e acaba acentuado em eventos chamativos, como a Flip: “Tem gente do país e do mundo todo aqui, por isso viemos”, diz Tamikuã, de cocar com penas verdes (papagaio) e azuis (arara).

Maiuri, 18, saiu da Bahia pela primeira vez para se hospedar com os parentes pataxós na aldeia do Iriri, em Paraty. Vai ficar dois meses na cidade, vendendo artesanato. Antes, passou alguns dias num apartamento no Rio de Janeiro, “mas não consigo ficar em espaço fechado assim não, é pequeno demais”, diz.

Em uma kombi em que improvisou cama e fogão, o cacique Kayrra trouxe outros dois kariri xocó de Alagoas para a festa. Nesse carro (que ele comprou com o cachê de uma participação na novela “Cidadão Brasileiro”, da Record) ele viaja o país, fazendo artesanato, dando palestras e ministrando oficinas.

Com um cocar branco (penas de garça) e azul (arara) e rosto pintado de preto (proteção), com tinta de jenipapo, e branco (paz), com argila, ele protesta: “A gente tem que vir mesmo, fazer barulho. E mostrar que tem muito índio no Nordeste, o que as pessoas se esquecem.”

A agente de saúde Marcia Mendonça, ou Kunha Pohyn, na língua dos guarani, diz que a “troca com outras etnias é importante, para conhecer, fortalecer nossos laços, e também para fazer renda, trazendo eles para vender artesanado aqui”, diz —em sua banquinha, improvisada na rua, a zarabatana custa R$ 25, o arco a partir de R$ 30 e o colar a partir de R$ 15. “Recebemos gente de todo o país aqui, somos abertos. E viajamos também. Só assim resistimos.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.