Descrição de chapéu

Continuação de 'It' traz fórmula óbvia e repete os problemas da 1ª parte

Obra bebe referências que vão desde 'O Iluminado' até 'Stranger Things'

Ivan Finotti
São Paulo

It: Capítulo Dois

  • Onde EUA, 169 min
  • Elenco Jessica Chastain, James McAvoy, Bill Skarsgard
  • Direção Andy Muschietti

No final de “It: Capítulo 2”, aparece um cinema e está em cartaz “A Hora do Pesadelo 5”, pois o filme se passa em 1989. Mais que uma homenagem, é uma citação, pois esta segunda aventura do palhaço assassino Pennywise bebe diretamente daquele franquia de filmes de terror dos anos 1980.

Pois assim como Freddy Krueger manipulava a mente dos adolescentes quando estes dormiam, o palhaço faz a turma desses amigos ver coisas que não são verdadeiras. Estátuas gigantes, cabeças-aranhas, pernas sem corpo, tudo aparece para eles, mas não é real.

Ou é, uma vez que essas coisas podem matá-lo. Mas nunca se sabe quando a pessoa atacada vai gritar “isso não é real” e o monstro desaparecerá ou quando ele corre mesmo o risco de ser devorado pelos dentes afiados do palhaço. Eis aí um ponto fraco de Pennywise, um problema que já existia no primeiro filme e não se resolve agora no segundo.

Seja como for, como em qualquer “A Hora do Pesadelo” ou “Sexta-Feira 13”, a estrutura é a mesma: pega-se cinco ou seis amigos e, na hora do vamos ver, separam-se todos para que Pennywise assuste um a um. Também não tenta escapar da fórmula de aumentar estrondosamente o som quando aparece um monstro.

“It – A Coisa”, lançado há dois anos, foi um sucesso estrondoso: ao custo de US$ 35 milhões, faturou US$ 700 milhões. Este segundo, com o mesmo diretor, dobrou o valor da produção e, assim, escalou dois astros, Jessica Chastain e James McAvoy, para fazer o papel de Beverly e Bill, agora crescidos, pois o segundo capítulo se passa em 2016.

Na verdade, o filme volta diversas vezes a 1989, recuperando o elenco da garotada de bicicleta, algo que, se não foi chupado de “E.T., o Extraterrestre” (1982), foi de “Stranger Things” (2016). E ainda traz Mike Wheeler, que faz o líder dos meninos naquela minissérie.

Outra aparição ilustre é a do autor do livro original, Stephen King. Com uma camiseta do disco “Harvest”, de Neil Young (1972), King faz uma ponta e até arrisca umas falas à la Stan Lee nos filmes da Marvel.

A presença do autor é desculpa para outras citações: McAvoy como um escritor em seu computador no fim do filme é uma cena idêntica à do encerramento de “Conta Comigo” (1986).

Em outro momento, quando monstros forçam uma porta, aparece Jack, o personagem de Jack Nicholson em “O Iluminado” (1980). Ambos os filmes também foram baseados em obras de King.

​No mais, o filme tem algumas boas piadas e uma tremenda ambição: são duas horas e 49 minutos de projeção. Com mais seis minutos, se igualaria a, digamos, “O Poderoso Chefão” (1972).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.