Descrição de chapéu Rock in Rio

Raimundos e CPM 22 lotam palco Mundo com plateia de millennials saudosistas

Público jovem lotou espaço em que bandas contemporâneas entre si se apresentaram

Laura Lewer
Rio de Janeiro

Uma espécie de bateção de cabeça coletiva impulsionada pela nostalgia de alguns dos maiores hits dos anos 1990 e 2000 abriu um Palco Mundo lotado no começo da noite deste sábado (28).

O motivo do alvoroço era justo: ali, encontravam-se pela primeira vez as bandas contemporâneas entre si Raimundos e CPM 22, que ajudaram a tecer a cara do rock e do hardcore brasileiro nos anos 1990 e 2000 e fizeram adolescentes e jovens adultos cantarem as mesmas canções por anos a fio.

Badauí, do CPM 22, em apresentação no segundo dia de Rock in Rio
Badauí, do CPM 22, em apresentação no segundo dia de Rock in Rio - Adriano Vizoni/Folhapress

Depois da abertura, que deixou a mais famosa dos Raimundos, "Mulher de Fases", para o começo, foi como se de cada sacudida de cabeça e rodinha punk saísse um hit gravado em uma fita cassete caseira.

De um lado, “Puteiro em João Pessoa”, dos brasilienses. Do outro, “Não Sei Viver Sem Ter Você”, dos paulistas. “Me Lambe” e “Irreversível”. “I Saw You Saying (That You Say That You Saw)” e “Dias Atrás”. Um show inteiro de hits grudados no imaginário do rock nacional.

Foram 16 músicas apresentadas pelo supergrupo liderado por Badauí e Digão, que trocaram declarações de amor no estilo "quando que naquele quarto imundo seu que eu conheci em Brasília você imaginou uma coisa assim?".

O encontro inédito culminou no maior sucesso do CPM 22, que 14 anos depois ainda ecoa em festas flashback, casamentos, formaturas e em qualquer oportunidade millennial saudosista.

Um karaokê coletivo berrou a plenos pulmões a letra impecavelmente decorada de "Um Minuto Para o Fim do Mundo”, como se tudo fosse mesmo acabar com o fim daquele show.

Ainda sobem ao palco principal Tenacious D, o rock nerd do Weezer e o headliner Foo Fighters.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.