Cantor nas horas vagas, Washington Luís desafinou no final do mandato

Presidente deposto por Vargas na Revolução de 1930 é o tema do 11º volume da Coleção Folha

São Paulo

Nascido em Macaé (RJ), com carreira política no estado de São Paulo, Washington Luís era um dos mais preparados homens públicos da Primeira República.

Ao estar na Presidência entre 1926 e 1930, promoveu avanços significativos, como a construção da estrada Rio-Petrópolis e a abertura da via Rio-São Paulo. Num espírito apaziguador, determinou a soltura de presos políticos que tinham sido encarcerados nos mandatos anteriores.

No entanto, o “paulista de Macaé”, como era chamado, cometeu um erro político grave, acelerando o fim da Primeira República. Cantor nas horas vagas, desafinou no final do mandato.  

Seu Lulu, um de seus apelidos, é o tema do 11º volume da Coleção Folha - A República Brasileira. Escrito pelo historiador Pietro Sant’Anna, o livro chega às bancas no próximo domingo, dia 24.

Após ser deposto, em 1930, Washington Luís é conduzido no Rio de Janeiro para embarcar rumo à Europa
Após ser deposto, em 1930, Washington Luís é conduzido no Rio de Janeiro para embarcar rumo à Europa - Acervo FGV CPDOC/Reprodução

De acordo com o revezamento da política do café com leite, Washington Luís deveria apostar em um sucessor mineiro. Mas ele não tinha simpatia por Antônio Carlos, então governador de Minas. Por outro lado, era próximo de Júlio Prestes, que comandava São Paulo àquela altura.

Confiante nas suas ações, Washington Luís lançou a candidatura de Prestes, decisão que levou Minas para a oposição, formada por Getúlio Vargas, do Rio Grande do Sul, e João Pessoa, da Paraíba.

Ainda assim, Prestes foi vitorioso, com a ajuda de fraudes. Meses depois, o Brasil virou de ponta-cabeça com a Revolução de 1930 e a chegada de Getúlio ao poder.

A Primeira República caiu por um conjunto de fatores, evidentemente. Mas a contribuição do seu Lulu não pode ser desconsiderada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.