Descrição de chapéu Games

Nem foice e martelo nem antifa, tatuagem de invasor do Capitólio vem de game

Símbolo vem do jogo 'Dishonored', que traz grupo secreto que planeja conspiração contra governo corrupto

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Fotografado ao lado do agora mundialmente famoso homem com chapéu de chifres, um dos invasores do Capitólio, nesta quarta (6), exibia em sua mão esquerda uma tatuagem com um símbolo pouco conhecido.

Logo surgiram na redes sociais teorias de que se tratava de um símbolo antifa ou até mesmo uma foice e um martelo, o que confirmaria que havia pessoas anti-Trump infiltradas na invasão.

O símbolo, na verdade, vem de um jogo de videogame chamado "Dishonored", franquia inicialmente lançada em 2012, para PlayStation 3, Xbox 360 e PC. O primeiro título da série levou o prêmio Bafta de melhor jogo em 2013.

Apoiadores de Donald Trump invadem o Capitólio; à esquerda, homem exibe na mão tatuagem com símbolo de jogo de videogame, em sua mão esquerda - Saul Loeb/AFP

O jogo é ambientado na fictícia cidade de Dunwall, assolada por uma praga e por um governo corrupto. A história é protagonizada por Corvo Attano, um ex-segurança de uma imperatriz, acusado de assassinato. O game traz as vozes dos atores John Slattery, Carrie Fisher, Chloë Grace Moretz, Lena Headey e Susan Sarandon.

Attano é ajudado por um grupo secreto de ativistas, chamados de Lealistas, que planeja uma conspiração. Ele também conta com a ajuda de um ser sobrenatural, chamado de Outsider, ou Estranho, que imprime uma marca na mão de quem é agraciado por ele com habilidades mágicas, a tal "marca do Estranho". É essa imagem que está tatuada na mão do barbudo pró-Trump no Capitólio.

A Marca do Estranho (Outsider's Mark), do jogo 'Dishonored'
A Marca do Estranho (Outsider's Mark), do jogo 'Dishonored' (2012) - Reprodução

Apoiadores de Donald Trump invadiram e vandalizaram o Congresso americano nesta quarta (6). A ação obrigou a Câmara e o Senado a trancarem suas portas e a paralisarem a sessão que deveria confirmar a vitória do democrata Joe Biden.

A invasão aconteceu poucos minutos depois de o próprio presidente americano, durante manifestação na capital do país, Washington, insuflar ativistas a se dirigirem até a sede do Legislativo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.