Descrição de chapéu
Cinema

Novo 'Pinóquio' deixa visual Disney para trás e mergulha nas trevas

Com Roberto Benigni como o velhinho Geppetto, longa mostra medos e sofrimentos como os do mundo real

São Paulo

Pinóquio

  • Onde Em cartaz
  • Produção Itália/França/Reino Unido, 2019
  • Direção Matteo Garrone

A ideia de Pinóquio que temos na nossa imaginação é a de um boneco branquinho, de olhos azuis, cabelos pretos e vestido como um tirolês. Encantado por uma fada e acompanhado por um grilo falante, o Pinóquio da animação de 1940 da Disney se consolidou como ícone da infância idealizada.

A nova adaptação de “Pinóquio” que estreia nos cinemas não se distancia desse paradigma só por ser em “live action”, ou com atores reais, em vez de animação. O resultado, do ponto de vista plástico, nem tenta simular o padrão Disney que “A Bela e a Fera”, “Dumbo”, “Aladdin”, “O Rei Leão” e “Mulan”, entre outros, estabeleceram na última década.

Refilmar títulos clássicos com atores e em espaços físicos é uma tendência atual, uma estratégia que permite dar roupa nova a histórias antigas ou muito conhecidas.

A proposta, porém, não se resume ao valor comercial, à vantagem de agregar um título seguindo a lógica bem-sucedida de franquia.

Se há diferença na “live action”, ela se revela na intensidade da impressão de realismo. É nisso que Matteo Garrone investe em sua adaptação do clássico romance “As Aventuras de Pinóquio”, obra de 1883, do escritor italiano Carlo Collodi.

Aqui, Pinóquio deixa de ser a figura lisinha e perfeita da visão idealizada de Walt Disney, recupera sua imagem rústica e é reinserido num universo rude.

Essa recuperação realista da fábula aparece desde o início na figura de Geppetto. A interpretação de Roberto Benigni é visivelmente despojada dos excessos cômicos do ator italiano. Sua caracterização, em vez de velhinho bonachão, é a de um homem cansado e solitário, para o qual o boneco humanizado assumirá o papel de filho. As peripécias de Pinóquio, quando foge de casa e da vila, completam esse universo realista.

O termo “realista” não se resume a descrever a aparência verossímil, fidedigna dos espaços e corpos, já que a maioria das situações que Pinóquio vive são com outros personagens fantásticos.

Realista quer dizer também que, embora as imagens, figuras e espaços pareçam fantasia, eles expressam medos reais, misérias concretas, sofrimentos palpáveis.

Mesmo que o filme conte uma história irreal e que ninguém acredite que um boneco de madeira possa se tornar gente de verdade, o “Pinóquio” de Garrone vive num mundo de trevas tal qual o nosso.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.