Descrição de chapéu Artes Cênicas

Grupo Corpo vai a Los Angeles estrear espetáculo a convite de Gustavo Dudamel

Companhia mineira elaborou a sua obra 'Estancia' a partir de chamado de um dos maestros mais importantes do mundo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ensaio do espetáculo 'Estância', do Grupo Corpo

Ensaio do espetáculo 'Estancia', do Grupo Corpo José Luiz Pederneiras/Divulgação

Belo Horizonte

O movimento dos bailarinos, com gestos firmes e batidas ritmadas dos pés no palco, lembra o estilo de dança malambo, modo tradicional de um gaúcho demonstrar destreza e vigor em competições. Já o movimento suave lembra o vento que enverga o trigo. A vida no pampa é a premissa temática de "Estancia", coreografia que o Grupo Corpo estreia nos Estados Unidos, na terça-feira desta semana.

O balé assinado por Rodrigo Pederneiras, coreógrafo da companhia, surgiu de um convite do regente titular da Filarmônica de Los Angeles e um dos maestros mais importantes do mundo, o venezuelano Gustavo Dudamel. A composição sinfônica do argentino Alberto Ginastera, criada em 1941, é a trilha que dá nome ao espetáculo na programação do Hollywood Bowl, um teatro de 17,5 mil lugares, que fica na cidade americana.

Ensaio do espetáculo 'Estância', do Grupo Corpo
Ensaio do espetáculo 'Estancia', do Grupo Corpo - José Luiz Pederneiras/Divulgação

Pela primeira vez, a companhia se apresenta com uma orquestra ao vivo. Pederneiras conta que a articulação dos movimentos da dança com o andamento dos músicos tem sido um trabalho desafiador. Os ensaios seguiram a gravação da trilha enviada por Dudamel. "Coreografei até os silêncios, as pausas em que a orquestra tem de passar as páginas da partitura", diz ele.

No palco, não há cenografia ou desenho de iluminação. A movimentação dos bailarinos na frente dos músicos foi estudada. O comprimento do palco, a profundidade reduzida e a falta de coxias foram provocações criativas para o desenvolvimento da coreografia.

O balé composto por Alberto Ginastera é inspirado no poema argentino, de caráter nacionalista, "O Gaúcho Martín Fierro", escrito por José Hernández, em 1872. Os versos exaltam o modo de vida gauchesco e criticam a arbitrariedade da luta política e militar oitocentista que empurra o protagonista para patrulhas policiais e o leva à ruína moral.

"Estancia", de Ginastera, porém, não segue a jornada de Fierro. A peça sinfônica apreende a estrutura temporal do poema e traz episódios da vida de um gaúcho no ciclo de um dia. Os movimentos se dividem em cenas entre o amanhecer, o dia, a tarde, a noite e um novo amanhecer.

O enredo narra a história de um rapaz que, vindo da cidade, se apaixona por uma moça do campo. Para vencer a desconfiança dela e conquistar o seu amor, ele terá de provar todas as suas habilidades de montaria, doma e dança, como um verdadeiro gaúcho.

A coreografia do Corpo escapa de uma correspondência estrita e não se estrutura pela linha figurativa, como encenação da história. Há, no entanto, aproximações com os motivos da composição, como o primeiro pas de deux em que o desejo surge à flor de uma suave sensualidade.

Em "Estancia", a fidelidade é à música, ainda que as relações entre literatura, sons e dança formem, por vezes, um todo indistinguível. Versos de "O Gaúcho Martín Fierro" surgem cantados e recitados no balé do compositor. A passagem do dia no pampa, com a transformação da vasta paisagem e as interações humanas no cenário, também se desdobra na música e na dança com grandes grupos, entremeados de solos, pas de deux e grupos menores.

O amanhecer, com flauta solo e violino no movimento "Danza del Trigo", é marcado por gestos delicados. O ímpeto de "Los Trabajadores Agrícolas" aplica a intensidade gestual da lida campestre diária nos grupos de bailarinos. No amanhecer, a "Danza Final" traz a orquestra com toda a sua potência.

O figurino de Janaina Castro, em tons de marrom, remete aos costumes tradicionais do pampa. As bailarinas usam saias pregueadas e ajustadas à cintura por uma faixa bem escura, com camisetas claras sem manga; os bailarinos vestem calças com a barra franzida e camisas de manga comprida na cor de café.

O convite de Dudamel para a apresentação em Los Angeles foi feito em 2019, mas o projeto ficou interrompido pela pandemia. Com a reabertura, a proposta foi reiterada. Ginastera, morto há 40 anos, é um dos nomes mais importantes da música de concerto latino-americana. O compositor tem um repertório variado que inclui óperas, música de balé e obras para piano.

De acordo com Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Filarmônica de Minas Gerais, "Estancia" talvez seja a obra mais famosa de Ginastera. "Ele conseguiu unir a rusticidade do folclore rural argentino ao lirismo que também caracteriza a música de raiz do nosso país vizinho", afirma o maestro.

Regida por Mechetti, a Filarmônica de Minas Gerais e o Grupo Corpo apresentam "Estancia", em agosto, na Sala Minas Gerais. O programa inclui ainda "Seis Danças Sinfônicas", de Marco Antônio Guimarães, do repertório da companhia, e "Danças Norueguesas", obra de Edvard Grieg.

Estancia

Estancia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.