Descrição de chapéu Fórum Econômico Mundial

Brasileiro recebe título de Empreendedor Social do Ano na América Latina

Valdeci Ferreira, da Fbac, foi indicado pela sua atuação em presídios

Eliane Trindade
São Paulo

O brasileiro Valdeci Ferreira, 55, recebeu nesta quarta-feira (14) o título de Empreendedor Social do Ano na América Latina pelo seu trabalho à frente da Fbac (Fraternidade Brasileira de Apoio aos Condenados), entidade que reúne 48 Apacs, modelos de presídios humanizados no país. 

O título foi entregue na plenária de abertura do Fórum Econômico Mundial para a América Latina, com a presença do presidente Michel Temer e de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

Valdeci Ferreira, da Fbac, em evento do Prêmio Empreendedor Social em 2017
Valdeci Ferreira, da Fbac, em evento do Prêmio Empreendedor Social em 2017 - Folhapress

“Desde os 22 anos, Ferreira dedica sua vida à recuperação de criminosos e condenados. Ele entrou pela primeira vez em um presídio há 33 anos e hoje administra uma entidade que agrega 48 unidades prisionais em cinco diferentes estados do Brasil”, disse Hilde Schwab, presidente da Fundação Schwab, ao chamar ao palco o vencedor do Prêmio Empreendedor Social 2017.

Hilde destacou a parceria da Folha e da Schwab na realização da premiação no Brasil há 14 anos. “Hoje, tenho o privilégio de conceder este prêmio a um empreendedor excepcional pelo seu trabalho de uma vida inteira e aproveito para agradecer à Folha e em especial a Maria Cristina Frias [editora de Mercado Aberto] pelo longo engajamento para desenvolver o empreendedorismo social no Brasil”, completou Hilde.

A presidente da Fundação Schwab, uma das comunidades-irmãs do Fórum Econômico Mundial, destacou o impacto da metodologia empregada nas Apacs, “uma alternativa ao sistema prisional comum, que leva dignidade aos internos e apresenta taxas de reincidência que variam de 20% a 28%”.

Para Ferreira, o reconhecimento no Fórum Econômico Mundial é uma chancela para ampliar o impacto das Apacs no Brasil e no mundo. “Para fortalecer nossa atuação nos presídios temos que trabalhar em rede, buscando intersetorialidade, e o fórum reúne instituições públicas, iniciativa privada e sociedade civil.”

Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, afirmou que o evento também tem seu “lado social”, na figura dos empreendedores sociais que integram a rede internacional ligada à entidade.

Oriundos de diversos países, 33 empreendedores sociais da Rede Schwab participam desta 13 edição do Fórum Econômico Mundial na América Latina. “Indivíduos que se distinguem pela contribuição para melhorar a vida de milhões de pessoas na região e por desenvolverem metodologias inovadoras que buscam soluções para problemas nas áreas de educação, saúde, ambiente, entre outras”, afirmou Hilde.

Ferreira se disse impressionado com a grandiosidade do evento e também entusiasmado com as possibilidades de aumentar o impacto social de sua organização. "Atuamos para resgatar populações marginalizadas, excluídas, a exemplo de tantos outros empreendedores sociais que desenvolvem trabalhos brilhantes e contribuem para o desenvolvimento do país."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.