Descrição de chapéu Xi Jinping Brics Rússia

Indústria siderúrgica ataca decisão do governo de não sobretaxar aço chinês

PATRÍCIA CAMPOS MELLO
São Paulo

O Instituto Aço Brasil, que representa as siderúrgicas, atacou nesta quarta (23) a decisão da Camex de adiar por um ano a imposição de tarifas sobre laminados planos importados da China.

"Diante das medidas dos EUA, o mundo inteiro está se movimentando para proteger suas indústrias siderúrgicas, a União Europeia se prepara para adotar salvaguardas, e o Brasil não faz nada", disse à Folha Marco Polo de Mello Lopes, presidente-executivo do Instituto Aço Brasil.

Na segunda (21), a Camex (Câmara de Comércio Exterior) aprovou a aplicação de medidas compensatórias sobre as importações de laminados planos da China. Mas decidiu, ao mesmo tempo, suspender a medida porque ela seria contrária ao "interesse público", por causar aumento de preços e custos no Brasil. A indústria nacional havia pedido medidas compensatórias, que podem ser sobretaxas ou cotas, sobre a importação de laminados chineses, alegando que o país subsidia a exportação dos produtos.

Em janeiro, a Camex tomara decisão na mesma linha, em relação a direitos antidumping sobre laminados a quente da china e da Rússia.

A indústria siderúrgica brasileira vem pedindo medidas de proteção contra um possível desvio de comércio causado pelo recente fechamento do mercado americano.

O governo Trump anunciou no início do mês a imposição de cotas para exportação de aço brasileiro. O Brasil terá uma cota equivalente à média da exportação dos três últimos anos, no caso de semi-acabados, e de 30% a menos que a média do período, para os produtos acabados.

Países como Rússia e China pagarão tarifa de 25%, e outros, como Coreia do Sul e Argentina, também terão cotas.

Com essa limitação na exportação para os EUA, a indústria siderúrgica teme que parte do aço que não entrar no mercado americano poderá ser direcionada para o Brasil.

Segundo a Folha apurou, a percepção na Camex é que ainda não há um aumento na importação de aço que justifique medidas compensatórias. Para o conselho, a indústria vem sofrendo por causa do desaquecimento do mercado interno, não por entrada de importações. Além disso, consumidores de aço como indústria de máquinas e carros seriam muito afetados.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.