Setor de serviços do Brasil encolhe 0,9% no 1º trimestre

Em março, o volume do setor caiu 0,2% em relação a fevereiro, diz o IBGE

Praça de alimentação do Pólo Shopping Indaiatuba
Praça de alimentação do Pólo Shopping Indaiatuba - Zé Carlos Barretta/Folhapress
 
São Paulo e Rio de Janeiro | Reuters

​O setor de serviços do Brasil recuou menos que o esperado em março, fechando o primeiro trimestre no vermelho, em mais um sinal de fraqueza da economia brasileira no início deste ano.

Em março, o volume do setor caiu 0,2% em relação a fevereiro, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (15), contra expectativa de recuo de 0,5% de analistas consultados pela agência Reuters.

Com isso, o setor de serviços encolheu 0,9% no trimestre passado sobre o período imediatamente anterior. No quarto trimestre de 2017, a atividade havia crescido 0,5%.

Em relação a um ano antes, o volume de serviços em março caiu 0,8%, também menor do que mostrou pesquisa Reuters, de queda de 1,5%.

A fraqueza no desempenho do setor de serviços acompanha o comportamento da economia como um todo, em que a indústria e o varejo também vêm apresentando fraqueza diante do desemprego ainda elevado e baixa confiança dos agentes econômicos no país.

"Houve clara desaceleração do quarto para o primeiro trimestre em razão de segmentos como serviços prestados às famílias, serviços de informação e serviços profissionais", explicou o gerente do IBGE Rodrigo Lobo. "No caso dos serviços prestados às famílias, há um efeito de uma demanda menor por conta do mercado de trabalho e o serviço mais prejudicado é restaurantes", acrescentou.

Em março, o desempenho da atividade de serviços profissionais, administrativos e complementares exerceu o maior peso, com recuo de 1,8% sobre fevereiro. Também encolheram os segmentos de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,8%) e outros serviços (-0,4%).

Serviços de informação e comunicação e serviços prestados às famílias foram as atividades que cresceram, 2,3% e 2,1%, respectivamente.

As atividades turísticas mostraram avanço de 2% em relação a fevereiro.

Apesar da inflação e dos juros permanecerem em patamares baixos, o consumo permanece contido diante de incertezas tanto econômicas quanto políticas, o que vem afetando a confiança de forma generalizada no país.

"A menor dinâmica da economia não deixa os serviços engrenarem recuperação. Se por um lado a queda dos juros ajuda no consumo, por outro afeta a receita dos serviços financeiros. O segmento tem ameaças de crescimento, mas fica só na ameaça", completou Lobo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.