Descrição de chapéu Crítica Cifras & Letras

Bresser-Pereira propõe via para retomar industrialização

Professor da FGV lança livro com as bases de sua proposta de novo desenvolvimentismo

Naief Haddad
São Paulo

Em Busca do Desenvolvimento Perdido

  • Preço R$ 35 (e-book: R$ 25)
  • Autor Luiz Carlos Bresser-Pereira
  • Editora FGV Editora

O economista Luiz Carlos Bresser-Pereira teve experiências variadas e intensas na gestão pública nas décadas de 1980 e 1990. 

 

Foi, entre outros cargos, ministro da Fazenda do governo José Sarney (1985-1990) e comandou a pasta da Administração e Reforma do Estado na gestão FHC (1995-2003). 

Desde 1999, porém, ele tem se dedicado exclusivamente à vida acadêmica —atua hoje como professor emérito da Fundação Getulio Vargas. 

O livro “Em Busca do Desenvolvimento Perdido” é o mais recente resultado dessa trajetória como pensador da economia brasileira. 

Bresser-Pereira se dedica a apresentar as bases do novo desenvolvimentismo, um projeto capaz, segundo ele, de conduzir o país à retomada do crescimento econômico. 

Antes de chegar às minúcias da sua teoria, o autor expõe com clareza as principais correntes da macroeconomia.  

O capitalismo é desenvolvimentista quando “Estado e mercado partilham a coordenação econômica, o mercado se encarregando, no plano microeconômico, de setores competitivos enquanto o Estado se encarrega dos setores não competitivos e da coordenação macroeconômica”. 

0
O economista e professor emérito da FGV Luiz Carlos Bresser-Pereira em seu escritório, em São Paulo - Keiny Andrade - 25.ago.2017/UOL

Por outro lado, ganha face liberal quando “o Estado se limita a garantir o bom funcionamento do mercado”.  

Entre 1930 e 1980, o Brasil se apoiou no projeto desenvolvimentista para promover sua revolução industrial. Sempre segundo Bresser-Pereira, o país teve êxito ao combinar diretrizes como a proteção à indústria nacional, o equilíbrio das contas fiscais e o planejamento pelo governo da infra-estrutura.   

Mas tudo começou a desandar na década de 1980 com a crise da dívida externa e a alta inflação. Em 1990, sob o governo Collor, o país se enfraqueceu definitivamente com a “adoção impensada de um regime de política econômica liberal”, escreve o professor.

Para Bresser-Pereira, a abertura da economia desencadeou uma onda de desindustrialização. Desde então, o país vive o que ele chama de “quase-estagnação liberal”.

Seu novo desenvolvimentismo toma como base o modelo que prevaleceu por seis décadas no país, mas destoa do cânone ao dar papel central à taxa de câmbio.

Grosso modo, sua avaliação é que o Brasil cresceu pouco a partir dos anos 1990 porque se deparou com uma desvantagem competitiva, uma taxa de câmbio apreciada no longo prazo, que levou o país à desindustrialização. 

Assim como os economistas liberais, o autor defende o ajuste fiscal, mas enfatiza que sua proposta é mais completa porque “ao mesmo tempo, reduz a taxa de juros de forma determinada e, por meio da política cambial, deprecia a moeda”. Esse rearranjo da macroeconomia resultaria em novo ciclo de crescimento. 

A leitura nem sempre é fluente. Entre os problemas, o professor repete argumentações já desenvolvidas e abusa de parágrafos desnecessariamente longos.

Vale a pena vencer a precariedade de estilo para refletir sobre esse projeto que visa reerguer a debilitada indústria brasileira. Estejamos ou não alinhados às suas ideias, o fato é que Bresser-Pereira enriquece o debate sobre a economia, efeito ainda mais oportuno às vésperas da eleição.

Reformas necessárias, segundo o professor

Novo teto fiscal 
O autor considera o atual teto impraticável. Propõe outro modelo, com um teto para a despesa corrente e outro para o investimento público

Previdência 
Idade mínima de aposentadoria para mulheres (62 anos) e para homens (65)

Câmbio 
 Criação do Conselho Cambial Nacional, que manterá o regime cambial flutuante, mas sob administração

Doença holandesa 
Retenção sobre a exportação de commodities para neutralizar a chamada doença holandesa (sobreapreciação de longo prazo da taxa de câmbio)

Indexação 
 O Estado deve ser proibido de aprovar qualquer lei que preveja a indexação formal 

Governança das estatais  
Veta escolha de dirigentes para essas empresas a partir de critérios políticos

Fonte: livro “Em Busca do Desenvolvimento Perdido”, de Bresser-Pereira

MAIS VENDIDOS

Veja livros que se destacaram na semana

TEORIA E ANÁLISE

1º/1º Scrum, Jeff Sutherland, ed. LeYa, R$ 34,90
2º/-  Uma Certa Ideia de Brasil, Pedro Malan, ed. Intrínseca, R$ 59,90
3º/2º A Startup Enxuta, Eric Ries, ed. LeYa, R$ 39,90
4º/4º Rápido e Devagar, Daniel Kahneman, ed. Objetiva,  R$ 62,90
5º/3º Marketing 4.0, Philip Kotler, Hermawan Kartajaya e Iwan Setiawan, ed. Sextante,  - R$ 49,90
    


prática e pessoas

1º/1º A Sutil Arte de Ligar o F*da-se, Mark Manson, Intrínseca, R$ 29,90
2º/-  Crie seu Mercado no Mundo Digital, Bruno de Oliveira, ed. Gente, R$ 39,90
3º/3º Seja Foda!, Caio Carneiro, ed. Buzz, R$ 39,90
4º/2º O Poder da Autorresponsabilidade, Paulo Vieira, ed. Gente, R$ 19,90
5º/4º Me Poupe!, Nathalia Arcuri, ed. Sextante, R$ 29,90, 

Lista feita com amostra informada pelas livrarias Curitiba, Fnac, da Folha, Saraiva e Argumento; os preços são referências do mercado e podem variar; semana de 8/4 a 14/4; entre parênteses, a posição na semana anterior
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.