Kassab decide colocar general na presidência dos Correios

Ministro afirma que quer facilitar a transição ao governo de Jair Bolsonaro

Julio Wiziack
Brasília

Em uma tentativa de alinhamento com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, decidiu trocar o comando dos Correios e nomear na presidência da estatal o general Juarez Aparecido de Paula Cunha.

O atual presidente, Carlos Fortner, será remanejado para uma diretoria dos Correios, onde ficará até o fim deste ano. Depois, deixa a empresa.

A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada à Folha por Kassab. Atualmente, o general já preside o conselho de administração dos Correios.

"Fiz a troca para facilitar a transição", disse o ministro. "O Juarez é um general da área de ciência e tecnologia que se aposentou, e eu já tinha o convidado para presidir o conselho dos Correios. Ele conhece o pessoal do Bolsonaro e pensei que isso ajudaria na transição."

O ministro nega ter feito a mudança mirando um posto no novo governo. Disse que não combinou com a equipe do militar reformado.

Na transição, afirmou que estará aberto a qualquer tipo de esclarecimento, mas que seu partido não fará parte da base de apoio de Bolsonaro. 

No entanto, Kassab, que é presidente do PSD, afirmou nesta quinta (1º) que suas principais lideranças "estão livres" para apoiar o novo governo. "Vários deles já apoiaram durante o segundo turno."

Também na quinta, Kassab elogiou a escolha do presidente eleito de nomear o astronauta Marcos Pontes para comandar o ministério da Ciência e Tecnologia.

"Ele tem uma formação sólida, currículo e experiência para desempenhar a função de forma positiva", disse.

Kassab ainda afirmou que "tem lógica" a proposta do presidente eleito de colocar a educação superior na pasta de Ciência e Tecnologia. E disse que há sentido na ideia de se destinar as telecomunicações para um possível ministério de infraestrutura.

"Hoje a pesquisa e inovação no país já estão atreladas ao ensino superior", disse Kassab.

O ministro afirmou ainda que recomendará ao novo governo a manutenção da Telebras como estatal.
Desde o início da campanha à Presidência, Bolsonaro afirma que seu governo abrirá espaço para generais.

Em entrevistas, disse que os governos anteriores deram cargos para o terroristas —como ele chama os militantes de esquerda que aderiram à luta armada no período da ditadura militar.

"Vou botar alguns generais nos ministérios, caso eu chegue lá [à Presidência da República]. Qual o problema? Os [presidentes] anteriores botavam terroristas e corruptos e ninguém falava nada", disse o presidente eleito em julho, em evento promovido pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Para comandar o Ministério dos Transportes, por exemplo, Bolsonaro tem preferência por Oswaldo Ferreira, general quatro estrelas da reserva. Durante a campanha, ele coordenou uma série de reuniões em Brasília para dar suporte ao plano de governo. Coube a ele coordenar as propostas para infraestrutura.

Outro general da reserva, Augusto Heleno, deve assumir o Ministério da Defesa. Ele tem uma relação de proximidade com a família do capitão reformado. 

Inicialmente, o presidente eleito pretendia cortar o número de ministérios de 29 para 15, mas, após sofrer pressão de alguns setores, ele considera recuar e o número pode fechar em 19. Uma das pastas que deveria ser extinta, mas que agora poderá ser mantida, é a do Meio Ambiente. 

 
Ministro Gilberto Kassab em evento em São Paulo
Ministro Gilberto Kassab em evento em São Paulo - Reinaldo Canato -6.set.2018/Folhapress
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.