Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Secretário de Estado dos EUA minimiza críticas de Trump a condições de negócio no Brasil

Mike Pompeo disse a chanceler brasileiro que empresas brasileiras também têm dificuldades nos EUA

Brasília

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, minimizou críticas do presidente de seu país, Donald Trump, às condições de negócios para empresas estrangeiras no Brasil.

"Às vezes é difícil para empresas americanas fazerem negócio no Brasil, mas também é difícil para companhias brasileiras fazerem negócios nos Estados Unidos", afirmou após reunião como o novo chanceler Ernesto Araújo, nesta quarta-feira (2), no Palácio do Itamaraty.

"O objetivo do presidente Trump é claro. Ele quer uma relação econômica em que as empresas de ambos os países tenham oportunidades justas, recíprocas, que sejam conduzidas de forma transparente", disse Pompeo. 

"Não é o mesmo modelo usado por outros países ao redor do mundo. Devem ser transações comerciais que façam a vida das pessoas melhores, não que sejam movidas por narrativas políticas de outros que querem chegar a um país e investir, não por razões comerciais, mas para ter resultados políticos."

Em 1º de outubro, ainda durante o processo eleitoral no Brasil, Trump acusou o país de ser um dos piores para se nutrir relações comerciais no mundo. 

"É uma beleza, eles cobram de nós o que querem. Se você perguntar a algumas das empresas, elas dizem que o Brasil está entre os mais difíceis do mundo, talvez o mais difícil do mundo. Nós não ligamos para eles e dizemos: 'Ei, vocês estão tratando nossas empresas injustamente, vocês estão tratando nosso país injustamente'", afirmou à época.

Nesta terça (1º), Trump parabenizou Jair Bolsonaro pela posse como presidente do Brasil. "Seu discurso inaugural foi ótimo. Os Estados Unidos estão com o senhor!", escreveu em uma rede social. 

Chanceler Ernesto Araújo, Mike Pompeo e outras pessoas das comitivas reunidas em uma mesa com uma bandeira do Brasil e uma dos EUA
Chanceler Ernesto Araújo (à dir.) recebe o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em Brasília - REUTERS

Bolsonaro retribuiu. "Eu sinceramente aprecio suas palavras de incentivo. Juntos, sob proteção de Deus, deveremos trazer prosperidade e progresso para os nossos povos." 

O chanceler Ernesto Araújo afirmou nesta quarta que "um eventual conflito entre nossos interesses comerciais e a nossa atuação nessa esfera de valores não é um problema para um país grande".
 
"O Brasil tem que se colocar como um país grande. Um país grande tem condições e precisa, ao mesmo tempo, trabalhar em um mundo em favor de seus valores e dos ideais de seu povo e trabalhar pelo crescimento econômico, fazer negócios e gerar oportunidades comerciais e econômicas", disse. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.