Rússia diz que pode restringir soja do Brasil por uso de pesticidas

Governo russo quer que produtores brasileiros reduzam uso de herbicidas com o ingrediente glifosato

Reuters

O governo da Rússia informou ao Brasil que poderá adotar restrições temporárias à importação de soja se os produtores brasileiros não reduzirem a quantidade de pesticidas --especialmente herbicidas com o ingrediente glifosato-- nos grãos vendidos ao país.

A informação foi publicada pelo Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia e enviada ao Ministério da Agricultura brasileiro, que confirmou à Reuters o recebimento do comunicado russo.

Na nota, os russos afirmam que informaram o governo brasileiro sobre a necessidade de tomar medidas urgentes para garantir o cumprimento dos regulamentos técnicos da União Aduaneira sobre a segurança dos grãos em termos de conteúdo de pesticidas nos produtos enviados à Rússia.

A Rússia ainda alertou sobre "possível introdução de restrições temporárias à importação de soja do Brasil em caso de falha do lado brasileiro em adotar medidas corretivas o quanto antes".

A exportação de soja do Brasil para os russos representa uma parcela pequena dos embarques totais do país, que somaram no ano passado um recorde de 83,8 milhões de toneladas, tendo a China como o principal cliente.

Os embarques brasileiros para a Rússia em 2018 somaram 1,09 milhão de toneladas, praticamente estável ante o volume de 2017, de acordo com dados do governo federal.

Em sua nota, os russos destacam o alto grau de toxicidade para humanos e animais do glifosato, um dos pesticidas mais usados na agricultura brasileira. Alguns países europeus, como Suécia e Dinamarca, baniram o uso do produto.

No Brasil, no entanto, o herbicida é defendido como essencial para manter a produção de larga escala da agricultura brasileira.

Em setembro do ano passado, quando uma decisão judicial determinou a suspensão do registro de produtos à base de glifosato --liminar depois derrubada-- o então ministro da Agricultura Blairo Maggi, ele mesmo um empresário do setor, afirmou que seria inviável produzir no Brasil sem o produto.

A maior parte da soja do Brasil é transgênica, resistente a herbicidas à base de glifosato.

Entre as empresas que comercializam a soja resistente ao glifosato está a Bayer, que comprou a norte-americana Monsanto.

LIMITES RUSSOS

Ministério da Agricultura do Brasil tem outra interpretação para os níveis de glifosato, tomando como base o Codex Alimentarius, espécie de compêndio com normas para a produção de alimentos.

O Codex Alimentarius recomenda que o limite máximo seja de 20 ppm (partes por milhão). No Brasil, o limite máximo permitido é de 10 ppm.

Assim, em sua nota, o Ministério argumenta que russos encontraram glifosato em “níveis mais de cem vezes inferiores aos limites internacionais”. O valor, porém, é superior ao estabelecido pelos russos, que é de 0,15 ppm.

Dessa forma, as autoridades brasileiras iniciaram processo de averiguação e investigação interna e estão em contato com suas contrapartes russas.

Procurada, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que representa exportadores de soja, afirmou não ter sido notificada sobre qualquer restrição de autoridades russas.

“O Brasil exporta produtos de altíssima qualidade do complexo de soja para 170 países. É parceiro em negócios com a Rússia há muitos anos. Caso haja essa notificação, a cadeia produtiva nacional está aberta a tratar de todos os temas relacionados a boas práticas no comércio internacional da soja em grão e seus derivados”, disse a Abiove.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.