Ministra diz que seguro rural deve ser ampliado, em meio a perdas na safra

Safra de soja no Paraná deverá alcançar 16,8 milhões de toneladas, abaixo dos 19,12 milhões previstos em dezembro

São Paulo | Reuters

Diante de perdas nas safras de grãos em vários Estados brasileiros devido ao clima adverso, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta quinta-feira que o seguro rural no Brasil deve ser ampliado.

Durante visita ao Sul do Brasil, onde esteve participando de cerimônia de abertura da colheita da soja, ela disse a autoridades, parlamentares e produtores locais que tem discutido mudanças no seguro rural, segundo nota do Ministério da Agricultura.

Tereza Cristina, ministra da Agricultura; ela diz que o seguro rural precisa ter "alcance, ser amplo e democrático"
Tereza Cristina, ministra da Agricultura; ela diz que o seguro rural precisa ter "alcance, ser amplo e democrático" - Ueslei Marcelino/Reuters

As declarações foram feitas em momento em que produtores de soja do Paraná contabilizam perdas pela seca, enquanto no Rio Grande do Sul chuvas excessivas reduziram o potencial produtivo.

"Quando estão com a produção segurada, os produtores não perdem o sono e nem precisam pedir renegociação de dívida com o pires não", disse a ministra, informando que tem feito várias reuniões para tratar do assunto, com autoridades como o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e Roberto Campos Neto, que deverá sucedê-lo no cargo.

"O seguro rural precisa ter alcance, ser amplo, democrático", defendeu Teresa.

A safra de soja 2018/19 no Paraná deverá alcançar 16,8 milhões de toneladas, abaixo dos 19,12 milhões previstos em dezembro e 12% aquém do registrado em 2017/18, devido aos efeitos da seca, previu nesta quinta-feira o Departamento de Economia Rural (Deral), órgão do governo do Estado.

O Rio Grande do Sul, também um dos maiores produtores de grãos do Brasil, já registrou perdas por chuvas excessivas nas lavouras de soja e arroz estimadas em quase R$ 800 milhões, informou na quarta-feira (24) a Emater, o órgão de assistência técnica do Estado.

Depois de sobrevoar a região de Uruguaiana (RS), alagada pelas cheias dos rios, a ministra ouviu relatos sobre as perdas causadas pelas chuvas, que afetaram principalmente a produção de arroz na região, informou o ministério.

A ministra disse a produtores e autoridades locais que "podem contar com a máxima boa vontade do ministério para encontrar solução para os problemas causados na agricultura".

Produtores locais pediram renegociação de dívidas, e recuperação do preço mínimo do arroz e falaram sobre impostos que recaem sobre o produto.

Durante evento no município de Apucarana (PR), a ministra disse ainda que está alterando o funcionamento das Câmaras Setoriais do ministério, unificando os temas de interesse para dar-lhes mais funcionalidade.

Sobre recursos para financiar a safrinha de milho, ela declarou que está sendo colocado mais crédito à disposição para atender, até o próximo plano safra, senão todos, pelo menos pequenos e médios produtores.

"A decisão deverá ser oficializada em reunião do Conselho Monetário Nacional na próxima semana", segundo nota do ministério.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.