Fé religiosa é mais importante que educação para mudar de vida, diz brasileiro em pesquisa

Levantamento feito por Oxfam e Datafolha mostra visões diversas sobre como reduzir desigualdade no país

Estudo fica atrás de fé religiosa em ranking de dez medidas prioritárias para a redução de desigualdades
Estudo fica atrás de fé religiosa em ranking de dez medidas prioritárias para a redução de desigualdades - Eduardo Anizelli/Folhapress
 
Laísa Dall'Agnol
São Paulo

Em cada dez brasileiros, oito acreditam que o progresso do país está condicionado à redução da desigualdade. Ao mesmo tempo, investimento público em assistência social está em último na lista de prioridades para diminuição do mesmo índice.

É o que mostra a pesquisa do Datafolha “Nós e as desigualdades”, feita em parceria com a ONG Oxfam Brasil.

O levantamento, que está em sua segunda edição, consolida entrevistas com 2.086 pessoas para medir a percepção sobre a desigualdade no país e traz um retrato da opinião pública no início de um novo ano e de um novo governo.

Os entrevistados tiveram de dar notas para dez medidas prioritárias para a redução de desigualdades, definidas previamente pela Oxfam Brasil. 

Em primeiro lugar, em grau de importância, ficou o combate à corrupção, com nota 9,7. Na sequência, ficaram investimento público em saúde (9,6) e em educação (9,6).

Aumento na oferta de empregos e aumento do salário mínimo também obtiveram pontuação significativa, com notas 9,6 e 9,3, respectivamente. Por último, ficou o quesito investimento público em assistência social, com nota 7,8. 

A pesquisa atribui o índice às críticas e à estigmatização que programas como o Bolsa Família têm, sobretudo entre as camadas de renda mais alta. 

Entre aqueles com rendimentos superiores a 5 salários mínimos, a nota atribuída foi 6,4. Já entre aqueles com rendimentos de até um salário mínimo, a média ficou em 8,4. 

Quanto ao combate à corrupção, que foi o item vencedor na pontuação, a pesquisa justifica a nota alta como reflexo do reconhecimento, por parte da população, de um problema que não apenas desvia recursos de políticas sociais, mas que também reduz a confiança nas instituições democráticas. 

Quanto às prioridades que levariam a uma melhora de vida, os entrevistados tiveram de elencar em ordem de importância oito aspectos pré-definidos. Aquele que recebe o maior contingente de prioridades é a “fé religiosa”, com 28%, seguido por “estudar” (21%) e “ter acesso à saúde” (19%). Em último, aparece “cultura e lazer”, com 2%. 

A pesquisa destaca como a renda, pura e simples, não é vista como aspecto prioritário para uma vida melhor. Considerando entrevistados que ganham até um salário mínimo, “ganhar mais dinheiro” é primeira prioridade para apenas 7% deles, metade dos 14% da população com rendimentos superiores a 5 salários mínimos que elegeram este aspecto como principal.

De modo geral, os resultados da pesquisa apontam para um país diverso, cujas disparidades vão para além da renda e perpassam temas como racismo, discriminação de gênero e desrespeito à diversidade.

Estudo de pesquisadores do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica), publicado em 2018 pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo do Programa da ONU para o Desenvolvimento (IPC-IG/PNUD) mostrou que o Brasil está entre os cinco países mais desiguais do mundo, em que a parcela mais rica da população recebe mais de 15% da renda nacional.

Um dos índices que evidenciam essa dissonância é a percepção pública de pobreza no Brasil. De acordo com métricas do Banco Mundial, o país tinha, em 2017, 55 milhões de pessoas pobres - cerca de 26% da sua população total. Esse número compreende pessoas cuja renda domiciliar per capita por mês não ultrapassa R$ 400. No entanto, dois em cada três entrevistados acreditam que a régua fica mais acima: para eles, a linha de pobreza começa a ser traçada apenas a partir dos R$ 701 mensais. 

A autopercepção de classe social foi outro quesito avaliado na pesquisa e demonstra certo otimismo: 70% dos brasileiros acreditam que estarão, dentro de cinco anos, entre a classe média e a classe média alta.

Dentre aqueles que recebem até um salário mínimo mensal de renda individual, 68% acreditam que estarão nestes grupos até 2024.

Apesar do ânimo sentido no contexto individual, a percepção para o panorama geral é dissonante. A pesquisa apontou que 57% dos entrevistados não acreditam que, nos próximos anos, a diferença entre os mais ricos e os mais pobres irá diminuir no Brasil. Ainda que alto, o índice representa uma queda em relação à 2017, ano em que 66% dos entrevistados disseram não acreditar na diminuição da desigualdade em meia década. De acordo com o levantamento, a confiança num cenário melhor está ligada ao momento da aplicação do questionário, ou seja, ao início de um novo governo com grandes promessas em relação à melhoria de vida da população.

De 2017 para 2019, aumentou a percepção da população brasileira sobre o impacto de gênero e de raça sobre os rendimentos, mostrou a pesquisa. A proporção de pessoas que acreditavam que mulheres ganhavam menos do que homens no mercado de trabalho simplesmente por serem mulheres passou de 57% para 64%. A visão de que negros ganham menos do que brancos no mercado de trabalho pelo simples fato de serem negros acompanhou a tendência e passou de 46% para 52%.

A questão racial é condicionante para percepções sobre outros índices. Para 72% e 81% da população a cor da pele define as chances de contratação por empresas e de abordagem policial, respectivamente. Para 71% dos entrevistados, a justiça é mais dura com negros e, para 81%, pobres negros sofrem mais do que pobres brancos. 

A pesquisa mostra ainda que a maioria da população se contrapõe ao papel tradicional atribuído à mulher no ambiente doméstico: 86% dos entrevistados não concordam que as mulheres deveriam se dedicar somente a cuidar da casa e dos filhos. 

O estudo destaca, no entanto, que a percepção contrasta com a realidade, na qual mulheres dedicam, em média, 18 horas semanais a afazeres domésticos contra apenas 10 horas semanais dos homens. Além disso, a proporção de mulheres realizando trabalhos em tempo parcial (28%) é o dobro da proporção de homens (14%), sobretudo por causa dos trabalhos domésticos e de cuidados que recaem sob responsabilidade delas.

Sobre a percepção do papel do Estado na redução das desigualdades, os resultados também chamam a atenção. O índice aumentou em 2019 em relação a 2017. Hoje, 84% dos entrevistados concordam que é obrigação dos governos diminuir a disparidade entre os muitos ricos e os muito pobres, contra 79% em 2017.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.