Nissan diz que caso Ghosn vai afetar lucro da montadora em 2019

Previsão é que companhia tenha menor ganhos em quase uma década também devido à fraqueza dos EUA

Tóquio e São Paulo

A Nissan culpou a prisão do ex-presidente Carlos Ghosn por manchar sua marca e contribuir para o declínio no lucro da companhia para o menor nível desde o ano que terminou em março de 2010.

A montadora japonesa previu que terá em 2019 o menor lucro em quase uma década, devido também à fraqueza nos Estados Unidos.

O lucro operacional esperado para o ano encerrado em março deve cair 45% contra um ano antes, a 318 bilhões de ienes (US$ 2,84 bilhões ou R$ 11,3 bilhões), ante previsão anterior de 450 bilhões de ienes, devido a despesas ligadas à concessão de garantias de veículos nos EUA, seu maior mercado.

Este é o segundo corte na previsão de lucro operacional da montadora em dois meses, e adiciona pressão sobre o presidente-executivo, Hiroto Saikawa, que trabalha para revisar a governança da empresa e busca uma posição mais igualitária com a Renault, maior acionista da Nissan.

Analistas alertaram que os problemas da Nissan podem enfraquecer sua relação com a Renault, que vem pressionando por uma fusão mais próxima, proposta que muitos da Nissan se opõem.

"Para manter sua postura contra os laços mais estreitos com a Renault, a Nissan precisa melhorar seu desempenho financeiro", disse Satoru Takada, diretor administrativo da empresa de pesquisa de valores mobiliários TIW.

As ações da Nissan caíram 4% após o aviso do corte de lucro, enquanto as ações da Renault perderam 5,5%.

Ghosn e Nissan

Carlos Ghosn chegou a Tóquio em 1999 para recolocar a Nissan nos trilhos, no momento em que a empresa acabava de se unir à francesa Renault. Ele foi nomeado presidente-executivo dois anos depois.

Com cerca de US$ 20 bilhões em dívidas, a Nissan precisou de um tratamento de choque na época. Houve demissões, encerramento de parcerias e fechamento de linhas de produção pouco produtivas. 

Apelidado de "cost killer" ("cortador de gastos"), ele transformou um grupo à beira da falência em uma empresa lucrativa com volume anual de negócios da ordem de quase € 100 bilhões. Isso lhe valeu grande admiração no Japão.

Após o plano de recuperação, a companhia registrou lucros recordes.

Em 2005, o executivo passou a presidir também a Renault, sendo a primeira pessoa a liderar duas montadoras simultaneamente.

Em 2008, Ghosn passou a acumular também a liderança do conselho de administração da Nissan.  

Em abril de 2017, passou o bastão para seu herdeiro, Hiroto Saikawa, ainda permanecendo à frente do conselho de administração. Passou a se concentrar mais na aliança da Renault com a Mitsubishi Motors, que ele levou para o topo da indústria automobilística mundial.

No mesmo ano, a empresa havia investido na Mitsubishi, após a companhia ser afetada por escândalo sobre falsificação de dados sobre emissão de poluentes.

A parceria Renault-Nissan-Mitsubishi é, hoje, uma construção de equilíbrios complexos, constituída de distintas empresas ligadas por participações cruzadas não majoritárias.

A Renault detém 43% da Nissan, que possui 15% do grupo do diamante, enquanto a Nissan possui 34% de seu compatriota Mitsubishi Motors. Rumores de fusão vazaram recentemente.

Com agências de notícias

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.