Veja como os antecessores de Bolsonaro deram largada na economia

Nos 100 primeiros dias de ex-presidentes estiveram juros em 11,75% e lei que sancionava privatização da energia elétrica

O governo Bolsonaro se aproxima dos 100 primeiros dias, e na área econômica o ministério de Paulo Guedes se ajusta com a fusão de outras pastas, enquanto prioriza reforma da Previdência.

Nos primeiros 100 dias de ex-presidentes estiveram juros em 11,75% e lei que sancionava privatização da energia elétrica. Veja abaixo:

Lula, Dilma, Michel Temer e FHC na cerimônia de instalação da Comissão Nacional da Verdade
Lula, Dilma, Michel Temer e FHC na cerimônia de instalação da Comissão Nacional da Verdade - Lula Marques/Folhapress

Fernando Henrique Cardoso (1995)

  • No primeiro mês de governo, sanciona aumento salarial de 95% para parlamentares e 144% para o presidente
  • Câmara aprova em votação simbólica salário mínimo de R$ 100. É a primeira derrota do governo, pois o aumento compromete as contas da Previdência
  • Em seu primeiro pronunciamento em rede de rádio e televisão, anuncia veto ao mínimo de R$ 100 e corte de 25% em seus vencimentos e de seus ministros
  • Montadoras, governo e trabalhadores acertam aumento da alíquota do imposto de importação de carros de 20% para 32%
  • Sanciona a Lei de Concessões, que permite a exploração de energia elétrica e saneamento pela iniciativa privada
  • Ocorre, no Rio de Janeiro, o primeiro de uma série de protestos contra o governo. Estudantes, sindicalistas, bancários e metalúrgicos entram em confronto com a Polícia do Exército. Um dos manifestantes era o deputado Jair Bolsonaro, que acusou os soldados de “dar proteção a um presidente imoral”

Luiz Inácio Lula da Silva (2003)

  • Com a bandeira da área social, faz caravana às regiões mais pobres com 29 ministros e lança o programa-piloto do Fome Zero, embrião do Bolsa Família
  • Participa de uma marcha com prefeitos e anuncia R$ 1,4 bilhão em investimentos em saneamento e infraestrutura
  • Fecha aliança com o MDB para viabilizar a aprovação de medidas no Congresso, o que garante a aprovação da PEC que regulamente o sistema financeiro e abre caminho para a autonomia do Banco Central
  • Por meio de medida provisória, autoriza a venda de soja transgênica já plantada
  • O então ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, promete entregar uma proposta de reforma da Previdência em 90 dias; causa polêmica ao defender o fim da aposentadoria especial para militares e juízes e depois volta atrás
  • O então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, fixa o que até então é a maior meta de superávit fiscal da era Real, de 4,25% —corte de R$ 14 bilhões no Orçamento

Dilma Rousseff (2011)

  • Sob o comando de Alexandre Tombini, o Banco Central eleva a taxa de juros para 11,75%, projeta a inflação a 5,6% e reduz a previsão de crescimento do PIB para 4%
  • São emitidos os primeiros sinais de que a autoridade monetária deixaria a inflação ultrapassar a meta se comprometesse o crescimento
  • Em fevereiro, o então ministro da Fazenda, Guido Mantega, anuncia corte de R$ 50 bilhões no Orçamento como parte do plano de ajuste fiscal
  • Governo lança o slogan “País rico é país sem pobreza”
  • O governo eleva o salário mínimo para R$ 545. Foi o primeiro reajuste abaixo da inflação em 14 anos
  • O Bolsa Família, por sua vez, tem reajuste de até 45,5%
  • Recebe o então presidente Barack Obama para discutir, entre outros tópicos, a cooperação entre Brasil e EUA na organização da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016

Michel Temer (2016)

  • Aprova no Congresso revisão da meta fiscal com elevação do déficit primário para R$ 170,5 bilhões
  • Envia ao Congresso a PEC do Teto de Gastos, que limita o crescimento das despesas à inflação do ano anterior
  • Anuncia reajuste de 12,5% no Bolsa Família a partir de julho; no mês anterior, Dilma havia prometido 9%
  • Sanciona Lei das Estatais, que proíbe a indicação de dirigentes de partidos para diretorias e conselhos
  • Câmara aprova texto-base da renegociação da dívida dos estados, após recuo do governo
  • Abre espaço para a aprovação o marco regulatório de óleo e gás, que desobrigou a Petrobras de participar dos blocos de exploração
  • Cria ambiente para o início a Agenda BC+, que mira melhoria da eficiência do sistema e cidadania financeira
  • Dólar fecha 100º dia de Temer a R$ 3,22

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.